BUSCAR
BUSCAR
Informação e opinião
Confira a coluna “Por trás da notícia” de Ney Lopes desta quinta-feira 4

04/03/2021 | 07:45

Coitados dos “banqueiros”

O filme sempre se repete. Quando é para impor sacrifícios econômicos aos servidores, assalariados, públicos ou privados (sobretudo a classe média), a justificativa é o equilíbrio fiscal e não afetar o “mercado”. Não se admite outra alternativa, a exemplo do que a maioria dos países adota, na pandemia. Agora, o presidente Bolsonaro decide aumentar o imposto cobrado sobre os bancos como compensação para equilibrar preços de combustíveis. O mundo desabou, quando os bancos brasileiros pagaram menos tributos do que indicariam as alíquotas de Imposto de Renda Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre Lucro Líquido ao longo do período de 2010 a 2019. O Brasil cobrou apenas 14,3% de imposto de renda sobre o lucro das instituições financeiras. Do expressivo lucro de R$ 721 bilhões, foi paga a quantia de apenas R$ 103 bilhões, sobrando lucro líquido de R$ 618 bilhões. Independente de aplaudir ou não o presidente Bolsonaro, ele agiu certo. Salvo, se a oposição radical, ou quem se oponha, queira defender os “coitados” dos banqueiros!

Arthur Lira no “fio da navalha”

O deputado Arthur Lira, presidente da Câmara, ainda está no “fio da navalha”. Nesta terça, 2, o STF arquivou (3 x2) denúncia contra ele, de participação em organização criminosa, na chamada “quadrilha o do “PP”. A decisão beneficiou os deputados Aguinaldo Ribeiro (PB), Eduardo da Fonte (PE) e o senador Ciro Nogueira (PI).

Corrupção passiva – O “nó” é que, além dessa denuncia, o STF já aceitou denúncia contra Lira, na qual é acusado de corrupção passiva. Em novembro de 2020, um pedido de vista do Ministro Dias Toffoli parou a ação penal, até hoje. Pode voltar a qualquer momento.

Espada de Dâmocles – Fica a pergunta: no afastamento de Bolsonaro e Mourão, o deputado Lira poderia assumir a presidência da República? Um precedente do STF estabeleceu que réus em ações penais podem comandar Casas do Congresso, mas não substituir o presidente e o vice, no caso de ausência de ambos do país.

OLHO ABERTO

Associação – A Agrícola Famosa (Mossoró, RN/CE) celebrou parceria com a espanhola Citri&Co, líder na produção e comercialização de frutas cítricas na Europa. A união por meio de joint venture, formará um dos maiores conglomerados globais do setor de frutas frescas.

Fusão – Há probabilidades de fusão futura das empresas e abertura do capital na Europa e no Brasil. A união possibilitará o aumento do “portfólio” de produtos, ofertando também frutas como uva, manga, laranja e limão. Boa notícia para o RN, embora apenas 30% da Famosa esteja em nosso território.

Pleito legítimo – Cresce a luta pela desoneração da folha de pagamentos, com sistema mais simples, menos burocratizado. A Confederação Nacional de Serviços defende a criação de imposto sobre movimentações financeiras para servir de compensação.

Governadores – A maioria dos governadores decidiu montar hospitais de campanha, se a ocupação ficar acima de 80% de leitos de UTI. A montagem leva quatro dias. Alguns foram desativados pelo alto custo de manutenção.

Democracia- Pesquisa do Instituto Locomotiva aponta que 72% dos brasileiros concorda que a democracia tem problemas, mas é melhor do que outras formas de governo. O estudo mostra que 84% dos eleitores acham que podem influir através do voto.

Moro – A imagem do juiz Sérgio Moro endeusada pela mídia internacional começa a desgastar-se.“Economist” e “New York Times” já lhe dão as costas, acusando-o de parcial, face às acusações, acerca do possível lado sombrio da operação Lava Jato”, em julgamento no STF.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.