BUSCAR
BUSCAR
Falsos Heróis
Secretário de Areia Branca, empresário e policial civil são presos pela PF
A ação investiga atividades de uma organização criminosa voltada à prática de contrabando de cigarros e produtos falsificados
Anderson Barbosa
27/10/2020 | 14:05

Um secretário municipal de Areia Branca, um empresário e um policial civil estão entre os presos da Operação Falsos Heróis, deflagrada na manhã desta terça-feira 27 pela Polícia Federal. Mandados judiciais foram cumpridos no Rio Grande do Norte, Pará e São Paulo. A ação investiga atividades de uma organização criminosa voltada à prática de contrabando de cigarros e produtos falsificados.

Agentes da Receita Federal e da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI) deram apoio à operação.

Dinheiro apreendido

Em São Paulo, parte do montante estava em caixas de papelão e em uma gaveta sob uma cama. No Pará, vasos e cofrinhos de barro foram usados para esconder cédulas, além de um ursinho de pelúcia, que também estava recheado de dinheiro. O valor total apreendido ainda não foi revelado. Já no Rio Grande do Norte, os agentes encontraram várias armas de fogo.

Falsos Heróis

Cerca de 165 policiais federais deram cumprimento a 26 mandados de busca e apreensão e 8 mandados de prisão preventiva. No RN, os mandados foram cumpridos em Areia Branca, Tibau e Mossoró; No Pará, em Belém e Ananindeua; E em São Paulo, todos na capital.

Ainda foram cumpridas medidas cautelares com relação a outros nove investigados, bem como o sequestro judicial de 22 contas bancárias.

As diversas diligências realizadas no curso da investigação permitiram identificar a existência de uma organização criminosa bem estruturada, cujo modus operandi consiste no transporte naval de produtos contrabandeados (cigarros, vestuário e equipamentos eletrônicos falsificados) com origem no Suriname, os quais são internalizados de forma clandestina em pontos da costa dos municípios potiguares de Areia Branca, Porto do Mangue e Macau, sendo posteriormente transportados para diversos estados, principalmente São Paulo, onde são comercializados em locais notadamente conhecidos por esta prática.

Alta lucratividade

Somente entre os anos de 2018 e 2019, a organização criminosa movimentou cerca de R$ 185 milhões, revelando a alta lucratividade da empreitada criminosa.

Os crimes imputados são os de contrabando qualificado (art. 334-A, §3º, CP) e organização criminosa armada (art. 2º, § 2º, e § 4º, incisos II e V, da Lei 12.850/2013), cujas penas, somadas, podem ultrapassar a 23 (vinte e três) anos de prisão.

O nome “Falsos Heróis” faz referência ao batismo das embarcações utilizadas para o transporte de mercadorias contrabandeadas (Ex: Thor, Hulk e Capitão América), bem como ao envolvimento de policiais civis que atuavam principalmente fornecendo segurança às operações logísticas de transbordo e transporte dos produtos contrabandeados.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.