BUSCAR
BUSCAR
Violência
Número de roubos cai 20% no RN, diz Anuário Brasileiro da Segurança Pública
Registros de de roubos ocorridos no Rio Grande do Norte tiveram redução de pouco mais de 20% em 2020, segundo Anuário Brasileiro da Segurança Pública
Anderson Barbosa
20/10/2020 | 05:05

O Rio Grande do Norte está mais seguro. É o que diz o “Anuário Brasileiro da Segurança Pública 2020”, divulgado nesta segunda-feira 19 pelo Fórum Brasileiro da Segurança Pública. De um modo geral, com relação ao número de roubos ocorridos no Estado, houve uma redução de pouco mais de 20%. O levantamento compara as ocorrências registradas nos primeiros seis meses de 2019 com o primeiro semestre de 2020.

De acordo com o Anuário, foram 12.210 ocorrências de roubos entre janeiro e junho de 2019, contra 9.723 assaltos registrados no mesmo período deste ano – o que representa uma redução de 20,4%.

O levantamento feito pelo Fórum se baseia em informações fornecidas pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelo Tesouro Nacional, pelas polícias civis, militares e federal, entre outras fontes oficiais da Segurança Pública.

A publicação é considerada ferramenta importante para a promoção da transparência e da prestação de contas na área, contribuindo para a melhoria da qualidade dos dados. Além disso, produz conhecimento, incentiva a avaliação de políticas públicas e promove o debate de novos temas na agenda do setor. “Trata-se do mais amplo retrato da segurança pública brasileira, diz o Fórum.

Ainda de acordo com o Fórum, o anuário faz um balanço mais amplo acerca dos impactos da pandemia no crime e na violência no Brasil, e busca dar respostas a algumas questões profundas em tempos de pandemia, como: as medidas sanitárias contribuíram com aumento da subnotificação de alguns crimes? A menor circulação de pessoas nas cidades reduziu as oportunidades para o cometimento de crimes? Ou ainda: a redução ou o crescimento em diversos indicadores criminais representa o aprofundamento de tendências já em curso e anteriores à 2020? A resposta é complexa, uma vez que, “neste momento ainda é difícil precisar o que é efeito das medidas de distanciamento social e o que não é. “É importante, no entanto, um olhar mais atento a cada um dos principais indicadores criminais reunidos”, destaca o Fórum.

Roubos a pedestres, estabelecimentos comerciais e residências crescem

Se de um modo geral as coisas parecem estar melhor, para algumas situações específicas o perigo aumentou. É o caso de se fazer uma caminhada pelas ruas – uma vez que o número de assaltos a pedestres praticamente dobrou nas cidades potiguares. Nos primeiros seis meses do ano passado foram registrados 3.205 roubos a transeuntes. Já este ano, a quantidades de assaltos saltou para 6.344 – um aumento de 97,9%.

Além de aumentar o número de assaltos a pedestres, também houve crescimento nos registros de roubos a estabelecimentos comerciais e residências em todo o estado.

O Anuário aponta que foram 260 crimes contra estabelecimentos comerciais nos primeiros seis meses de 2019, contra 472 no primeiro semestre de 2020 – o que representa um aumento de 81,5%.
Quantos aos assaltos a residências, o crescimento foi de 67,3%, ou seja, 394 roubos entre janeiro e junho de 2019, contra 659 ocorrências registradas no mesmo período deste ano.

Menos roubos

O Anuário Brasileiro da Segurança Pública também diz que houve uma queda na quantidade de roubos a veículos e cargas em todo o estado. Em 2019, de janeiro a junho, foram registrados 3.517 roubos. Já este ano, no mesmo período, foram 3.475 – redução de 1,2%.

Quanto aos assaltos a cargas, foram 12 ocorrências registradas em 2019, contra apenas dois crimes da mesma natureza contabilizados nos primeiros seis meses deste ano.

Cresce número de armas

Aumentou o número de armas apreendidas no Rio Grande do Norte. Ainda de acordo com o Anuário, 261 armas de fogo foram retiradas de circulação nos primeiros seis meses de 2019. Este ano, também nos primeiros seis meses, foram 307 – o que significa um aumento de 17,6%.

Se de um lado caiu o número de assaltos, do outro aumentou a quantidade de pessoas assassinadas no território potiguar. No total, o Anuário revela que, no primeiro semestre de 2019, o Rio Grande do Norte somou 713 crimes violentos letais intencionais, os chamados CVLIs. Já nos primeiros seis meses deste ano, 797 pessoas já foram mortas – um crescimento de 11,8%.

Feminicídio tem queda de 28,6%

O Rio Grande do Norte registrou uma redução na quantidade de mulheres assassinadas. Ao todo, 42 pessoas do sexo feminino foram mortas no primeiro semestre de 2019 (sendo 28 vítimas de homicídio doloso e 14 de feminicídio). Já em 2020, foram 40 vítimas ao todo (sendo 30 por homicídio doloso e 10 casos de feminicídio). Somente nos casos de feminicídio, que é quando a mulher é assassinada pela condição de gênero, a queda foi de 28,6%.

Pandemia

Segundo a diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno, a instituição trabalha “mais com hipóteses” do que com certezas para tentar compreender os dados compilados no relatório, tendo em vista que a pandemia de Covid-19 ainda é um contexto inédito. Apesar de reconhecer que a análise requer um nível de assimilação da conexão entre elementos, ela aponta alguns fatores que podem ter correspondência com a realidade constatada. Segundo a diretora, o estancamento generalizado da criminalidade, imaginado para o período da crise sanitária, não se confirmou. “A gente vê o que indica o fim da trégua de grupos criminosos, ou seja, um aumento de conflitos relativos ao tráfico internacional de drogas e armas, que é o que reverbera principalmente no Norte do país, e no Nordeste, que são rotas importantes do tráfico, especialmente de cocaína e outras drogas”, explicou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.