BUSCAR
BUSCAR
Com 43,6%
Levantamento nacional aponta Bolsonaro como a autoridade mais “simpática” do país
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, está com distantes 16% nessa pesquisa que aferiu a simpatia das autoridades junto à população
Redação
04/09/2020 | 17:46

No auge da popularidade, o presidente Jair Bolsonaro virou uma espécie de “Mister Simpatia” para a maioria dos brasileiros. Levantamento nacional realizado pelo instituto Paraná Pesquisa para o site Diário do Poder, revelação que Bolsonaro é considerado, de longe, a mais simpática das mais altas autoridades do País. Diante da pergunta “Com qual dessas pessoas o Sr. (a) simpatiza mais?”, 43,6% cravaram o presidente. Em seguida vem “nenhum”, com 23%. Do total, 5% não quiseram opinar.

Rodrigo Maia, o presidente da Câmara, está com distantes 16% nessa pesquisa que aferiu a simpatia das autoridades junto à população. Dias Toffoli, presidente do Supremo, com 5,9%, e o procurador geral da República, Augusto Aras, com 3%, estão nas posições seguintes.

Está na lanterninha das autoridades mais simpáticas dos Três Poderes o presidente do Senado, Davi Alcolumbre: tem só 2,8%.

O levantamento Paraná Pesquisas, realizado entre os dias 22 e 24 deste mês, 2.280 pessoas em 208 municípios de 26 estados e no DF.

Manobra afronta a História

A manobra dos presidentes Davi Alcolumbre (Senado) e Rodrigo Maia (Câmara) para mudar a Constituição e garantir mais dois anos à frente das Casas tem sido considerada uma afronta à História
do Parlamento brasileiro. Desde a promulgação da Constituição, sempre foi claro para todos os parlamentares, sobretudo para os que a escreveram, a importância da alternância que a dupla ambiciosa
pretende jogar no lixo.

Maia assumiu em 2016 e, reeleito duas vezes, já é o deputado a presidir a Câmara por mais tempo ininterruptamente. Ainda quer mais dois anos.

Eleito pela turma antiRenan, Alcolumbre joga suas fichas na manobra. Pesam o medo de retornar ao baixo clero e não se reeleger em 2022. No dia da derrubada do veto aos reajustes de servidores, Alcolumbre estava em SP trocando figurinhas com Alexandre de Moraes (STF).

Deve desculpas

O Senado convocou Paulo Guedes para ele explicar por que ele disse que era “um crime” derrubar o veto de
Bolsonaro impedindo uma farra bilionária. Na verdade, os 42 senadores irresponsáveis ​​é que pedir desculpas ao País, por meio do ministro da Economia.

O deputado Bacelar (Pode-BA) tenta manter “gratuita e antecipada” a escolha de lugares em voos comerciais. A vergonhosa Anac permite que as empresas aéreas cobrem pela marcação de assentos.

Dorilula vem aí?

Como os políticos costumam mandar às favas os escrúpulos, o petista Rui Costa, do governador da Bahia, afirmou em entrevista que não vale-tudo contra Bolsonaro, ele topa aliança até com o PSDB e o DEM.

Lados

Não há como dissociar a investida da gangue paulista “PCC” no Rio, que ontem a Polícia Federal impediu, da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) proibindo a polícias e combaterem o tráfico de drogas.

Sem alternativa

O ministro Sebastião Rego Junior, do STJ, não teve opção senão dar prisão domiciliar a Mizael Bispo: não houve contestação do pedido, nem por parte do ministério público, nem dos juízes originais. O assassino de Mércia Nakashima alegou fazer parte do grupo de risco de covid-19.

Briga

O governo do Distrito Federal teve de apelar ao Superior Tribunal de Justiça para obter autorização para construir um posto de saúde no Vale do Amanhecer, cidade próxima a Brasília onde há uma sede de um grupo religioso, que não quer a obra. Para essa gente, o povo que se lixe.

Frase

Arrogante, prepotente, vaidosa, agressiva e autoritária ”, Humberto Martins, presidente do CNJ, ao classificar a postura que levou ao afastamento do desembargador Eduardo Siqueira.

*Com informações do Jornal do Comércio

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.