BUSCAR
BUSCAR
Escrita
Confira a coluna “Desenrolando a Língua” desta segunda 22

22/02/2021 | 03:30

Palavras do passado – parte 2

Palavras e expressões à parte, sabemos que o palavreado que hoje está no auge poderá ser amanhã uma coleção de lembranças engraçadas ou inexplicáveis. Em 2050, talvez seja difícil explicar a uma criança que uma sequência da letra “K” significou “morrendo de rir”. Quem viver verá. Enquanto isso, seguem mais palavras de antigamente.

Aprumar (ir para frente, vencer na vida)
O verbo aprumar era utilizado em referência ao sucesso que se obtinha, apesar das dificuldades visíveis. Noel Rosa deixou bem claro na letra do samba “Com que roupa?” o que era vencer na vida: “Agora vou mudar minha conduta/Eu vou pra luta, pois quero me aprumar/Vou tratar você com força bruta/Pra poder me reabilitar”. Aprumar, hoje, equivale a ser promovido.

Azeite (azar o seu)
“Você não quer aceitar a minha proposta? Não? Azeite!” Era assim que as pessoas reagiam diante de uma negativa. Azeite expressava uma reação equivalente a “não estou nem aí, dane-se”. Essa expressão faz parte do enredo das histórias infantis, em particular uma em que a velha má prende duas crianças e, ao fugirem com a casa pegando fogo e a velha presa, as crianças respondem ao pedido de água da malvada: “Azeite, senhora vó!” Hoje, em vez de dizerem “azeite”, as pessoas dizem: “Dane-se”.

Batata (não falhar)
Se há um termo que não sai da boca do povo, literalmente, é a batata. Seja na culinária, com a batata-doce, da família das convolvuláceas, ou a batata-inglesa, da família das solanáceas, ou em expressões populares, nós somos adeptos da “batata”. Chamamos a panturrilha de batata da perna; uma complicação é uma batata quente; morder a batata é ingerir bebida alcoólica; quando se manda alguém plantar batata(s) diz-se o mesmo que “pare de incomodar”; soltar batatas é dizer besteiras. Mas uma está em desuso: batata ou na batata, com o significado de “não falhar”. Aparecia em frases assim: “O professor chega todo dia às 7 horas na batata; “O agricultor disse que ia chover e foi batata”.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.