BUSCAR
BUSCAR
COVID-19
Mortes por coronavírus na Itália aumentam 57% nas últimas 24h
Casos confirmados chegam a 7,3 mil no país. Primeiro-ministro assinou decreto para quarentena até 3 de abril
G1
08/03/2020 | 16:08

Nas últimas 24h, a Itália registrou uma alta de 57% no número de mortes pelo novo coronavírus. Neste domingo (8), o país contabiliza 7.375 casos confirmados e 366 mortes – o número estava em 233 mortes neste sábado (7).

Com isso, o goveno italiano tomou uma medida drástica para tentar conter a propagação do Sars-CoV-2 no país, que é o mais afetado na Europa. O primeiro-ministro Giuseppe Conte assinou um decreto que determina uma quarentena em parte da Itália e também o fechamento de cinemas, teatros e museus até o dia 3 de abril.

As medidas afetam 16 milhões de pessoas e ao menos 16 províncias vizinhas.

A imposição de restrições implica um sacrifício econômico no curto prazo em uma tentativa de evitar uma epidemia mais severa. Os deslocamentos para entrar e sair dessas regiões do país serão estritamente limitados durante a quarentena, segundo o projeto citado pelos jornais, entre eles “Il Corriere della Sera” e “La Repubblica”.

As autoridades afirmaram que será preciso dar uma permissão específica para sair das áreas em isolamento para emergências familiares ou de trabalho. A polícia vai parar os viajantes para verificar se eles têm motivo para atravessar os bloqueios.

Ainda de acordo com a imprensa, entre as medidas estão suspensão de aulas e eventos esportivos, exceto os profissionais, além de restrições de aglomerações em locais religiosos e restaurantes. Velórios também estão suspensos. Os meios de comunicação dizem ainda que o isolamento deve afetar um quarto da população do país.

O decreto ordena ainda o fechamento de cinemas, teatros e museus em todo o país.

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.