BUSCAR
BUSCAR
Economia
RN gera 46,82% da capacidade outorgada de energia, diz Aneel
Título de estado que mais produz energia eólica está ameaçado pela Bahia, segundo dados da agência reguladora
Redação
30/06/2022 | 10:38

O potencial de geração de energia elétrica no Rio Grande do Norte é um dos principais destaques da economia do estado nos últimos anos. Somente por energia eólica, o RN tem capacidade produtiva de 6,7 Gigawatts (GW) segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Muito disso por conta da localização geográfica, premiada com a passagem dos ventos alísios – importantes também para a produção salineira – que, segundo o geógrafo Rodolfo Alves Pena, são deslocamentos de massas de ar quente e úmido que se realizam de forma concêntrica em direção às áreas de menor pressão atmosférica das zonas equatoriais do globo terrestre.

E estes ventos que sopram em direção às zonas próximas à Linha do Equador interferem na economia do estado. Darlan Santos, presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia do Rio Grande do Norte (Cerne) aponta que estes ventos circulam em velocidade constante – média – e na mesma direção e tornam favoráveis a produção de energia. “Tudo isso impacta na produção e contribui para que o Rio Grande do Norte seja um bom lugar para a produção de energia eólica”, explica. Mas o potencial total do estado potiguar ainda está longe de ter sido totalmente explorado.

O papel do RN tem parcela significativa na geração de energia eólica no Brasil: o estado é o maior produtor no segmento em todo o país. Segundo um levantamento da Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração (SGC) da Aneel, são cerca de 37,3 GW de potência outorgada nas 14 unidades da federação que produzem energia por meio dos ventos. Mas, na prática, os números de potência fiscalizada pela Agência são diferentes do que o RN é capaz de produzir.
Vale dizer que potência outorgada corresponde àquela considerada pela Agência no ato de outorga para geração da energia elétrica. Já a potência fiscalizada corresponde à considerada a partir da operação comercial realizada pela unidade geradora. Em primeiro lugar, a Bahia tem potencial outorgado 12,5 GW e o RN fica em segundo com 11,5 GW. No entanto, o Rio Grande do Norte já gera 6,8 GW – 59% do outorgado – enquanto o estado baiano gera 6 GW.

O número corresponde a quase um terço de toda energia eólica produzida no país nos 824 empreendimentos já em operação. Em todo o Rio Grande do Norte, são 350 empreendimentos voltados à produção de energia; destes 222 estão em operação segundo os dados disponibilizados pela SGC. Dos 128 restantes, 50 estão em construção – o correspondente a 1,8 GW – e 78 ainda não tiveram as obras iniciadas, mas devem gerar 2,9 GW de energia.

Caso sejam consideradas outras fontes de energia como solar, hídrica, fóssil, biomassa e fóssil, a Aneel outorgou ao Rio Grande do Norte a geração de 16,3 GW de energia. Mas apenas 7,6 GW são produzidos atualmente, ou seja, 46,82% da capacidade total do estado. Os empreendimentos responsáveis por gerar os 53,18% restantes da outorga da agência reguladora ainda estão em construção ou não tiveram as obras iniciadas até o momento.

NOVA OBRA

O Complexo Oeste Seridó está prestes a ganhar mais um parque eólico. Na terça, a Elera Renováveis, lançou a pedra fundamental em Parelhas, cidade que fica aproximadamente 250 km de Natal. De acordo com a empresa, o empreendimento representa um investimento de R$ 1,5 bilhão na região e capacidade instalada de geração de 247,5 MW.

A expectativa é de que com a conclusão da Fase 1 das obras – prevista para 2024 – a quantidade de energia gerada no parque seja suficiente para abastecer cerca de duas milhões de pessoas evitando a emissão de 740 mil toneladas de CO2 na atmosfera. Contabilizando obras de outras empresas, estão previstos outros parques de geração em todo o estado.

Cidades como Angicos, Caiçara do Rio do Vento, Currais Novos, Fernando Pedroza, Jandaíra, Lagoa Nova, Lajes, Pedra Preta, Pedro Avelino, Santana do Matos e São Miguel do Gostoso já têm obras em andamento. Outros municípios como Bodó, Campo Redondo, Equador, Jardim de Angicos, João Câmara e São Tomé aguardam os primeiros passos para o início das construções de parques eólicos. Somados aos parques de energia solar, a capacidade máxima das obras, já concluídas, deve ser de 8,7 GW

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.