BUSCAR
BUSCAR
Economia

Estudo da FGV mostra que desigualdade de renda é maior do que estimada

Perspectiva de melhoria está no pagamento do novo Bolsa Família
Agência Brasil
14/02/2023 | 17:41

A desigualdade de renda no Brasil é ainda maior do que o imaginado. A constatação é da pesquisa da FGV Social, que uniu a base de dados do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) à da Pnad Contínua, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostrou que o índice de Gini chegou a 0,7068 em 2020. O valor é superior ao 0,6013 calculado apenas na Pnad Contínua. Cada 0,03 ponto corresponde a uma grande mudança da desigualdade.

“A desigualdade, quando a gente combina dados do imposto de renda com as pesquisas domiciliares, ela se apresenta bem mais alta, e a mudança dela na pandemia não foi de queda como se acreditava, mas de um pequeno aumento”, explicou o diretor da FGV Social, Marcelo Neri, em entrevista à Agência Brasil.

trbr5160
Imagem ilustrativa. Foto: Agencia Brasil

Segundo o professor, a renda dos mais ricos revelada no imposto de renda é mais alta do que é captado pela Pnad. “Se a pessoa declara imposto de renda, declara o que ela tem, se não paga imposto à toa, então há desigualdade por captar mais a renda dos mais ricos. E durante a pandemia, o grupo do meio, a classe média, não teve o auxílio e também não tinha renda do capital para estabilizar o choque adverso”, disse, acrescentando que essa parcela, classe média, ainda teve mais efeitos com as perdas de empregos.

Conforme o cálculo do Gini, quanto mais perto de 1 está o indicador, maior é a desigualdade. A pandemia também é responsável por influenciar a desigualdade. Diferente do que se pensava, mesmo com o Auxílio Emergencial, a desigualdade brasileira não recuou durante a pandemia. Com a metodologia usual do Gini o patamar teria passado de 0,6117 para 0,6013. No entanto, com a combinação das bases, o indicador vai de 0,7066 para 0,7068.

Neri destacou que as perdas dos mais ricos (os 1%) foi de 1,5%, nível menor do que a metade da classe média, que ficou em 4,2%, e se tornou, segundo o professor, a grande perdedora da pandemia.

“Embora a renda dos mais pobres tenha sido protegida pelo Auxílio Emergencial, a renda da classe média teve uma queda quase três vezes maior do que a do topo da distribuição. Foi [queda de] 4,2% para a classe média e menos 1,2% para o topo da distribuição. A fotografia da desigualdade e o filme da pandemia são piores do que imaginavam. Essa é uma imagem mais macro da pesquisa”, explicou.

Unidades da federação

As rendas mais altas do imposto de renda por habitante no Brasil foram notadas em Brasília (R$ 3.148), São Paulo (R$ 2.063) e Rio de Janeiro (R$ 1.754). Nas capitais, Florianópolis ficou na frente (R$ 4.215), seguida de Porto Alegre (R$ 3.775) e Vitória (R$ 3.736). Também tiveram destaque os municípios de Nova Lima, na Grande Belo Horizonte (R$ 8.897); São Caetano, na Grande São Paulo (R$ 4.698) e Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeuiro (R$ 4.192).

A menor declaração de patrimônio por habitante foi registrada no Maranhão (R$ 6,3 mil). Ao contrário, a maior é a do Distrito Federal (R$ 95 mil), onde há muita concentração de riqueza, liderada pelo Lago Sul (R$ 1,4 milhão). A renda apresentada no IRPF por habitante no Lago Sul é R$ 23.241. O valor, segundo a pesquisa, é três vezes maior que o alcançado em Nova Lima, o município mais rico do Brasil.

O estudo mapeia fluxos de renda e estoques de ativos dos mais ricos brasileiros a partir do último IRPF disponível. Para o professor Neri, a avaliação é útil para formulação de reformas nas políticas de impostos sobre a renda e sobre o patrimônio. “A gente lança informações que são úteis para desenho de reforma de imposto de renda, taxação sobre patrimônio, sobre herança”, disse.

Futuro

Neri avaliou que as perspectivas de melhoria na desigualdade são o pagamento de um novo Bolsa Família, que é importante para os mais pobres, com um orçamento maior este ano, mas para os anos seguintes ainda não está definido.

Ainda na redução de impactos da desigualdade, o professor citou a volta do Minha Casa, Minha Vida, reincluindo a população da faixa 1, que tem rendimentos menores. “Tem essa agenda social na base que é importante e determinante da desigualdade”, disse.

Governo anuncia bloqueio e contingenciamento de R$ 15 bilhões no Orçamento
Haverá bloqueio de R$ 11,2 bilhões e contingenciamento de R$ 3,8 bilhões, segundo o ministro Fernando Haddad, da Fazenda
18/07/2024 às 20:05
Dólar fica perto de R$ 5,60 com incertezas no Brasil e no exterior
Bolsa cai 1,39% e fica nos 127 mil pontos
18/07/2024 às 19:10
Fazenda aumenta para 3,9% estimativa de inflação em 2024
Previsão oficial de crescimento do PIB foi mantida em 2,5%
18/07/2024 às 17:09
BNDES registra apoio recorde de R$ 2 bilhões à indústria farmacêutica
Créditos foram liberados ao longo deste ano
18/07/2024 às 15:53
Bolsa Família chega a 500 mil lares no Rio Grande do Norte a partir desta quinta-feira
Valor médio do benefício no estado é de R$ 670,81, a partir de um repasse de R$ 335,7 milhões do Governo Federal
18/07/2024 às 11:17
FIERN apresenta metas e resultados da Meritocracia Sindical em reunião com presidentes de sindicatos
Foram apresentados na reunião os principais tópicos na defesa dos interesses da indústria pela FIERN
18/07/2024 às 05:33
Dólar fecha em alta, a R$ 5,48, com fala de Lula e juros dos EUA
Entrevista de Lula sobre a pauta fiscal repercutiu no mercado, impactou dólar, e ganhou importância com iminência de relatório do Orçamento
17/07/2024 às 20:46
Projeto sobre desoneração só será votado com consenso, diz Pacheco
Proposta estava na pauta de votação da sessão desta quarta-feira
17/07/2024 às 18:09
Receita investiga sonegação de quase R$ 1 bilhão em venda de gado
Operação Rei do Gado cumpre mais de 50 mandados em cinco estados
17/07/2024 às 12:59
Orçamento de 2024 possivelmente terá contingenciamento, diz Haddad
Relatório de Receitas e Despesas será divulgado na próxima segunda
16/07/2024 às 17:38