Mossoró
Pré-candidato a prefeito pelo PSL cobra abertura de mais leitos
Médico Daniel Sampaio, que será candidato a prefeito de Mossoró, diz que governo Fátima Bezerra não cumpriu “nem metade da promessa” sobre leitos
Por Redação - Publicado em 05/06/2020 às 06:00
Reprodução
Leito de tratamento intensivo (UTI)
Publicidade
O médico psiquiatra Daniel Sampaio, pré-candidato do PSL à Prefeitura de Mossoró, cobra do Governo do Estado a abertura de mais leitos em unidades de saúde para atender pacientes com a Covid-19 no município. De acordo com ele, a governadora Fátima Bezerra não cumpriu até agora “nem metade” de uma suposta promessa feita a Mossoró, de que determinaria a abertura de 170 novos leitos na cidade.

O compromisso da governadora, segundo Daniel Sampaio, foi assumido por ela no dia 30 de março, durante uma videoconferência. Ele não disse quem teria participado desse encontro virtual. Na ocasião, Fátima teria prometido os 170 leitos dedicados a pacientes com o novo coronavírus. Desde então, o médico psiquiatra afirma que foram abertos apenas 72 leitos em Mossoró, sendo que parte deles foi em parceria com a prefeitura e parte após o Estado receber doações de equipamentos por empresários.

Em todo o Rio Grande do Norte, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), foram abertos 309 leitos desde o início da pandemia de coronavírus. Desse total, 182 são leitos críticos (tratamento intensivo) e 127 são leitos clínicos ou de estabilização. Não está disponível, porém, um detalhamento claro de onde estão espalhados esses leitos.

O Sistema Regula RN, criado em parceria com o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Lais/UFRN), apresenta até números divergentes. Segundo a plataforma, são 227 leitos críticos, mas alguns hospitais aparecem sem o detalhamento de informações.

“A governadora Fátima Bezerra também prometeu reabrir o Hospital da Polícia Militar, em Mossoró, mas não cumpriu até agora, mesmo um grupo de empresários tendo bancado do próprio bolso a obra de restauração da parte física”, afirma o médico e pré-candidato a prefeito.

O médico ressalta, ainda, que o colapso no sistema de saúde de Mossoró poderia ter sido evitado ou ao menos adiado caso o governo Fátima Bezerra tivesse instalado leitos críticos em outros municípios das regiões Oeste e Central. Segundo ele, 60% dos pacientes que ocupam leitos em Mossoró moram em outras cidades.

“Poderia ser diferente se o governo tivesse implantado leitos de UTI nos hospitais regionais Hélio Marinho, em Apodi; no Dr. Agnaldo Pereira, em Caraúbas; e no Nelson Inácio dos Santos, em Assú. Os pacientes da região estão vindo todos para Mossoró”, afirma Daniel Sampaio.

Daniel confirma candidatura, mas diz conversar com Rosalba e outros partidos

Presidente estadual do PSL, partido que elegeu o presidente Jair Bolsonaro em 2018, Daniel Sampaio afirma que será candidato a prefeito de Mossoró nas próximas eleições municipais, mas ressalta que seu partido concorda em dialogar com o Partido Progressistas, ao qual é filiada a atual prefeita, Rosalba Ciarlini.

“Também estamos abertos para dialogar com vários outros partidos, menos com as siglas de esquerda, como é o caso do PT”, diz Daniel Sampaio, rechaçando uma composição com a deputada estadual Isolda Dantas, que é a pré-candidata petista em Mossoró.

Segundo o presidente estadual do PSL, a legenda tem conversado com partidos ligados à centro-direita, como PSC, Patriota, PV, Republicanos e Democracia Cristã, além do Progressistas.

O médico psiquiatra afirma, também, que tem apoio irrestrito da executiva nacional para a candidatura. “Nossa candidatura faz parte do projeto do partido de disputar as principais prefeituras do País. O projeto majoritário é irreversível”, afirma o pré-candidato.

Publicidade
Publicidade