BUSCAR
BUSCAR
Medida
Uma pessoa é detida por descumprir decreto em primeira noite de toque de recolher no RN
Medida visa conter disseminação da Covid-19; último boletim registra taxa de ocupação de leitos críticos de 89, 4% no estado e 90% na Região Metropolitana de Natal
Redação
28/02/2021 | 11:29

A primeira noite/madrugada de vigência do toque de recolher no Rio Grande do Norte – medida adotada pelo Governo do Estado por meio de decreto – foi considerada tranquila pelas forças de segurança pública. Apenas uma ocorrência policial foi registrada em Natal. No interior, nenhum procedimento foi lavrado em razão do não cumprimento da medida, que proíbe a circulação de pessoas pelas ruas no período de 22h às 5h.

Os dados de ocorrências por descumprimento do decreto foram informados pela Polícia Civil. De acordo com a Delegacia Geral, o único registro de desobediência aconteceu no bairro Potengi, na Zona Norte, por volta das 22h45. Foi preciso intervenção da Polícia Militar, que conduziu um homem para a plantão após ele se recusar a deixar um bar em que bebia. Ele assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e em seguida foi liberado para ir diretamente para casa.

No interior do estado, ainda de acordo com a Polícia Civil, nenhum procedimento relativo ao descumprimento do decreto foi lavrado nos plantões das 10 regionais (plantões de Mossoró, São Paulo do Potengi, Caicó, João Câmara, Macau, Nova Cruz, Patu, Pau dos Ferros, Alexandria e Santa Cruz).

O toque de recolher, que teve início na noite deste sábado, 26, deve seguir em todo o estado até o dia 10 de março.

“Para garantir o cumprimento das medidas sanitárias de enfrentamento e prevenção ao novo coronavírus, a professora e governadora Fátima Bezerra determinou que nós disponibilizássemos todas as forças de segurança disponíveis, e é isto o que estamos fazendo, sempre respeitando e cumprindo o programa Pacto Pela Vida”, destacou o coronel Francisco Araújo Silva, titular da Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (SESED).

Primeiras horas

A governadora Fátima Bezerra e o vice-governador Antenor Roberto, que ficaram monitorando o movimento nas primeiras horas do toque de recolher, parabenizaram as forças de segurança pelo trabalho realizado.

“Pelas informações que recebemos, a Operação Toque de Recolher foi um sucesso. Aproveito para parabenizar o Coronel Araújo (secretário da Segurança Pública), o coronel Alarico (comandante-geral da PM), Ana Cláudia (delegada-geral da Polícia Civil), o Coronel Monteiro (comandante do Corpo de Bombeiros), a todos que fazem a Segurança do RN, por mais uma demostração de compromisso em salvar vidas”, disse a governadora.

“A população entendeu o momento difícil que estamos vivendo e está seguindo as orientações. As nossas forças de segurança estão fazendo um trabalho pedagógico, orientador neste momento, e a população correspondeu plenamente. Parabéns a todos”, reforçou Antenor Roberto.

O vice-governador, que também é advogado e procurador do Estado, explicou que a execução do toque de recolher independe de aprovação dos prefeitos.

Neste sábado, os representantes dos ministérios públicos federal, estadual e do trabalho divulgaram documento conjunto recomendando que as prefeituras de todos os municípios potiguares se abstenham de praticar quaisquer atos, inclusive edição de normas, que possam flexibilizar medidas restritivas estabelecidas pelo Governo Estadual.

Estatísticas

O boletim da Secretaria de Saúde, divulgado no final da manhã deste sábado, registrava 294 novos casos confirmados de Covid-19, três óbitos em 24 horas e 3.562 desde o início da pandemia. A taxa de ocupação de leitos críticos era de 89,4% no RN. Na Região Metropolitana, 90% estavam ocupados.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.