BUSCAR
BUSCAR
Manutenção
Saída da Ford do Brasil não vai afetar serviços ao cliente, diz revendedora potiguar
Direção da Ford Divepe afirma que estrutura não vai passar por grandes mudanças e que serviços de assistência técnica terão continuidade
Redação
14/01/2021 | 06:35

Com o anúncio do fechamento das fábricas da Ford no Brasil, nas plantas de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e Horizonte (CE), muitas questões podem surgir quanto à continuação dos automóveis e dos serviços da empresa em terras brasileiras. Entretanto, a Ford Divepe, concessionária da marca no Rio Grande do Norte, afirma que vai manter todos os serviços de pós-venda, bem como dar continuidade às operações de assistência técnica.

“As concessionárias continuam prestando assistência técnica normalmente, as garantias dos veículos continuam, as peçase e tudo continua normal. Todos os clientes estão resguardados, a gente continua com o trabalho forte. A única diferença é que os carros serão trazidos de fora, importados”, afirmou René Coutinho, diretor do Grupo Veneza, empresa responsável pela Ford Divepe em Natal.

Em comunicado oficial, a Ford também afirmou que continuará ativamente presente no Brasil e na América do Sul, com sua rede de concessionárias, e seguirá prestando assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia.

René Coutinho comentou também sobre a oscilação que teve o setor após a pandemia causada pelo novo coronavírus. Segundo ele, o ano de 2020 sofreu uma forte queda entre os meses de março a outubro, mas que foi observada uma crescente da indústria automobilística no país no último trimestre do ano.

“2020 foi um ano atípico. Janeiro até março começamos bem, ai de março a agosto caiu bastante. Mas outubro, novembro e dezembro a indústria teve um ‘pipoco’ de venda”.

Ele considerou também que, com o anúncio da saída da Ford, existe uma possibilidade de uma queda no setor ser registrada novamente nesse primeiro trimestre de 2021. “A gente estava esperando um 2021, pelo menos no primeiro semestre, também parecido com o que foi o final de 2020. Mas com a Ford saindo agora, provavelmente teremos uma indústria um pouco menor do foi no último trimestre. Estamos vindo de uma mostra de recuperação de 2020, mas tudo ainda é muito incerto”, avaliou René Coutinho.

Após 100 anos de operação no Brasil, a Ford, que já vinha fechando fábricas no país, anunciou na segunda-feira 11, o fechamento de todas as suas manufaturas em solo brasileiro. Em comunicado oficial, a empresa informou que tomou a decisão após anos de perdas significativas no país, e acrescenta que a pandemia agravou o quadro de ociosidade e redução de vendas na indústria.

Três fábricas serão fechadas: Camaçari, na Bahia, onde os modelos EcoSport e Ka são produzidos; Taubaté, em São Paulo, que produz motores; e Horizonte, no Ceará, que fabrica jipes da marca Troller. As duas primeiras terão suas atividades encerradas imediatamente, enquanto a última, até o quarto trimestre deste ano. Como resultado, os modelos nacionais terão suas vendas interrompidas assim que terminarem os estoques.

Saída da Ford acende sinal amarelo no setor

Em meio ao anúncio do fechamento das fábricas da Ford no Brasil, após 102 anos de produção local, uma luz amarela se acendeu para o setor automotivo nacional: será que outras empresas podem seguir o mesmo caminho e desistir do País? Por ora, a torneira de investimentos de gigantes automotivas não se fechou no País: apenas Fiat Chrysler e General Motors, somadas, vão aplicar R$ 25 bilhões por aqui nos próximos anos. Mas, segundo especialistas e fontes ligadas às próprias montadoras, a situação pode ser diferente em médio e longo prazos.

Embora descarte fechamentos de fábricas em série, o consultor Flavio Padovan, ex-presidente da Jaguar Land Rover no País e com passagens por Volkswagen e Ford, diz que “a saída da Ford serve para todo mundo abrir o olho”. Isso porque, segundo ele, além de lidar com as questões estruturais que dificultam a atuação no Brasil, como a carga tributária, a baixa produtividade e o custo da mão de obra, o setor vive uma transformação global. “É um cenário muito ameaçador.”

Um exemplo do problema: enquanto o mundo se desdobra para produzir mais carros elétricos – a Alemanha, por exemplo, já baniu a venda de veículos a combustão a partir de 2030 -, o Brasil ainda engatinha nessa área. Ex-presidente da Fiat e da Anfavea (associação que reúne as fabricantes nacionais de veículos), o executivo Cledorvino Belini lembra que o setor automotivo vive um momento claro de quebra de paradigmas com a eletrificação dos motores. “Temos de fazer nossos engenheiros reaprenderem, irem para esse lado”, diz Belini.

Na visão do ex-presidente da Fiat, caso a tecnologia global caminhe para um lado e a produção brasileira vá para outro, o País pode ver seu parque industrial cair na irrelevância. Para ele, o modelo de produção brasileiro está “esgotado” e precisa evoluir rapidamente. “Não podemos chegar atrasados (nos carros elétricos), já que as emissões são um problema global.”

Esse descompasso entre os objetivos globais da montadora e o portfólio das três fábricas brasileiras foi um dos fatores que levaram a Ford a desistir da produção em solo brasileiro. Segundo Padovan, havia anos que a montadora americana reclamava da baixa lucratividade dos modelos compactos – justamente seus carros-chefe por aqui, como EcoSport e Ka. “A Ford sempre fez com as picapes o dinheiro que não fez com o carro. Então, essa decisão faz sentido na estratégia de privilegiar a lucratividade “

Custo Brasil

Procurada pela reportagem, a Anfavea afirmou, em comunicado, não ver um risco sistêmico para o setor automotivo do País, com o fechamento de fábricas. No entanto, a associação apontou que o setor hoje trabalha com uma ociosidade superior a 50% nas unidades, que têm capacidade para produzir 5 milhões de veículos por ano. A associação das montadoras também critica a falta de medidas para a redução do custo de produção no País.

Diante das promessas não cumpridas de reformas que poderiam reduzir custos – como a tributária, por exemplo -, Padovan diz que está cada mais difícil para um executivo local “vender” projetos para aportes relevantes no Brasil. “O governo brasileiro está totalmente paralisado e não consegue levar adiante as medidas que precisam ser aprovadas. O cenário é de uma insegurança muito grande com o País.”

Das seis das maiores montadoras brasileiras, apenas duas delas – FCA e General Motors – anunciaram um ciclo de investimentos para os próximos anos de R$ 15 bilhões e R$ 10 bilhões, respectivamente (leia mais no quadro ao lado). As demais já encerraram ciclos anteriores (como Volkswagen, Renault e Honda) ou estão próximas de finalizar aportes já anunciados, como a Toyota, que está investindo R$ 1 bilhão em um novo modelo na fábrica de Sorocaba (SP).

Sem perspectivas de uma “virada” significativa no volume de vendas, resta às participantes do mercado brasileiro brigar pelo pouco que sobra, como os 7% de fatia de mercado que a Ford vai abrir mão. “São 140 mil carros que estão em jogo nesse negócio”, lembra o ex-presidente da Jaguar Land Rover.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.