BUSCAR
BUSCAR
Punição
Governo do Turcomenistão manda banir o coronavírus do vocabulário
Pessoas que usam máscaras ou falam da doença na rua podem até ser presas, segundo relatos vindos do país, um dos mais repressivos do mundo
R7
01/04/2020 | 08:47

O governo do Turcomenistão tomou uma medida controversa, que vai na contramão de tudo o que está sendo feito no mundo para combater a pandemia de covid-19. Mandou banir a palavra “coronavírus” do vocabulário do turcomano, o idioma local.

Segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras, relatos de um site independente, que é banido dentro do país, o Turkmenistan Chronicle, indicam que a palavra foi retirada de materiais que são distribuídos pelas autoridades de saúde locais para fazer alertas à população.

A mídia estatal também está proibida de usar o termo em suas reportagens, segundo a RSF. Segundo a entidade, a medida é uma atitude “perigosa para a população” e pode colocar em risco o combate à pandemia em território turcomeno.

De acordo com relatos publicados pela RSF, no país pessoas usando máscara de proteção ou falando sobre o coronavírus na rua, em pontos de ônibus ou na porta de lojas podem ser presas por policiais à paisana. O Turcomenistão tem uma grande fronteira com o Irã, um dos países mais afetados pela doença na região.

“As autoridades turcomenas estão agindo conforme sua reputação ao adotar esse métood extremo para erradicar todas as informações sobre o coronavírus”, disse Jeanne Cavelier, diretora da RSF para o Leste Europeu e Ásia Central.

“Essa vácuo de informação não apenas coloca os cidadãos do Turcomenistão em perigo mas também reforça o autoritarismo do presidente Gurbanguly Berdymukhammedov. Pedimos que as comunidade internacional reaja e o faça responder pelas violações sistemáticas de direitos humanos”, pediu ela.

Com o fluxo de informações completamente controlado pelo governo, ainda não há nenhum caso confirmado de covid-19 em território turcomeno, mas não é possível afirmar que a doença não tenha atingido ninguém. A única medida do governo, em 13 de março, foi ordenar que espaços públicos fossem fumigados com um tipo de remédio tradicional chamado “harmala” para proteção.

Também de acordo com a RSF, a embaixada do Turcomenistão em Moscou fechou no último dia 17 e ninguém atende ao telefone. Com isso, dezenas de cidadãos turcomenos não sabem se conseguirão voltar ao país e tampouco conseguem permanecer na Rússia. que está sob uma quarentena restritiva. Muitos estão no aeroporto da capital russa, sem ter para onde ir.

Regime autoritário

O Turcomenistão é o país com menor liberdade de imprensa no ranking mundial da RSF e um dos regimes mais fechados do mundo. O governo controla toda a imprensa local e persegue quem tenta mandar notícias clandestinamente para fora. A internet é extremamente restrita e só pode ser acessada com permissão governamental, em locais controlados.

Gurbanguly Berdymukhammedov é apenas o segundo presidente do país desde que ele se tornou independente com o fim da antiga União Soviética, em 1991. Ele governa o Turcomenistão desde 2017.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.