Prevenção
Depressão ainda é tabu para sociedade apesar dos debates na mídia
Segundo dados oficiais da Organização Mundial de Saúde, estima-se que pelo menos 300 milhões de pessoas sofram com essa doença
José Aldenir / Agora RN
Associação Brasileira de Psiquiatria junto com o Conselho Federal de Medicina organiza nacionalmente o “Setembro Amarelo” desde 2014

Falta de ânimo, dissabor pela vida e por atividades que pareciam atrativas antes. Choro com ou sem causa, vontade de desaparecer e outros sinais são típicos em casos de depressão, aponta o Centro de Valorização à Vida (CVV).

De acordo com dados oficiais da Organização Mundial de Saúde, estima-se que pelo menos 300 milhões de pessoas sofram com a doença em todo o mundo.

Toda discutição no tocante aos transtornos mentais ainda, apesar dos avanços em estudos clínicos e debates na mídia, ainda são tratados como tabu, segundo o psiquiatra Gustavo Xavier, Presidente da Associação Norte-rio-grandense de Psiquiatria (ANP).

Ele explica que durante a consulta é importante o familiar ou responsável, reconhecer todos os sinais de alerta que a doença apresenta e que a depressão, ainda é uma das principais causas dentre as tentativas de suicídio em escala mundial. “Todos os sinais de alerta são trabalhados e informados à família para combater esse estigma de que é ‘frescura’, ‘que não é um problema’. O familiar é o primeiro agente de saúde mental a melhorar esses indicadores”, explica.

De acordo com a psicóloga Ariane Bittencourt, a psicologia conta com auxílio da Terapia Cognitiva Comportamental (TCC), cujo objetivo é buscar mudanças na forma de pensar, ajudando a transformar as distorções cognitivas em um pensamento mais equilibrado com a realidade.

A psicóloga destaca ainda que O profissional de psicologia que trabalha com a Terapia Cognitiva Comportamental ensina o paciente a ser seu próprio terapeuta e a técnica pode ajudar as pessoas a avaliar seus próprios pensamentos e crenças disfuncionais.

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), organiza nacionalmente o “Setembro Amarelo”. Sendo o 10, oficialmente o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, com objetivo de mostrar que é possível diminuir os episódios.