Empregabilidade
Programa Jovem Aprendiz é opção para o ingresso no mercado de trabalho
Muitos almejam a chance de aprender mais sobre o mundo corporativo e poder vislumbrar o crescimento profissional com mais esperança
Assessoria de Imprensa
Somente no primeiro semestre deste ano mais de 227 mil jovens foram contratados no país, segundo o Ministério do Trabalho

A oportunidade de ingressar no mercado de trabalho como aprendiz, ainda na adolescência, pode parecer, para muitas pessoas, algo bastante simples. Mas, na realidade de muitos jovens brasileiros, pode significar uma grande conquista. Afinal, muitos almejam a chance de aprender mais sobre o mundo corporativo e poder vislumbrar o crescimento profissional com mais esperança.

Segundo um balanço apresentado pelo Ministério do Trabalho, somente no primeiro semestre deste ano, o Brasil contratou mais de 227 mil jovens por meio da Lei de Aprendizagem Profissional. No Rio Grande do Norte o cenário é o mesmo. Kassily Loyse, de 21 anos, é um exemplo disso. Estudante de fisioterapia, a experiência no programa Jovem Aprendiz foi para ela a porta de entrada no mercado de trabalho.

“Há dois anos, estava buscando independência financeira e ingressar direto como contratada de uma empresa, não era uma tarefa fácil. Então, abracei a oportunidade de mostrar meu trabalho como jovem aprendiz”, relembra a estudante. Aos 19 anos, Kassily Loyse, que era cadastrada no Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), foi contratada para assumir uma das vagas no setor administrativo do Grupo JMT Service, empresa especializada em terceirização de mão de obra.

Durante o processo seletivo, a jovem realizou na empresa uma prova sobre atualidades, redigiu uma redação sobre terceirização e participou de uma sondagem das características de personalidade. “O processo seletivo foi ágil e assim que ingressei na empresa fui muito bem recebida. Isso fez total diferença no meu trabalho. Pois, ser acolhida é muito importante”, comenta.

“Entendemos o papel social na contratação desses jovens, é a primeira oportunidade deles. Por isso, compreendendo a importância do acompanhar e oferecer um treinamento relacionado à atividade exercida, acolhemos e repassamos os ensinamos com objetivo de torná-los grandes profissionais no futuro”, comenta a coordenadora de administrativa do Grupo JMT Service, Jerlani Lucena.

Como resultado de um bom serviço prestado e como forma encontrada pela empresa de demonstrar o reconhecimento merecido ao jovem aprendiz que desempenha bem a sua função, acontecem as efetivações no quadro de funcionários. Kassily Loyse, que agora é auxiliar de gestão, é apenas um dos exemplos do que é visto internamente na JMT. “Todo o processo dentro da empresa foi muito gratificante. Notamos o esforço dos funcionários em repassar, da melhor forma, qual é o nosso trabalho. Entregamos de volta o que aprendemos e recebemos o retorno na contratação”, comenta.

Segundo Jerlani Lucena, a empresa JMT Service se compromete em aplicar todas as leis na prática. Além disso, a rotina organizacional contribui, com dicas diárias que moldam um profissional, para o êxito das atividades. Atento que o jovem ainda está em processo de formação, a empresa acompanha a frequência do aprendiz no curso relacionado à área de atuação e, ao final do estágio, em parceria com o supervisor de atividade, é entregue um relatório de desempenho, avaliando as questões como os conhecimentos solicitados no momento do preenchimento da vaga, pontualidade, comprometimento, entre outros.

Jovem Aprendiz

Regulamentada por decreto, em 2005, a Lei da Aprendizagem, estabelece que as empresas de médio e grande porte contratem aprendizes em uma cota que pode variar de 5% a 15% do quadro de trabalhadores. Apesar de a obrigatoriedade ser específica para empresas maiores, qualquer organização pode contratar aprendizes.