BUSCAR
BUSCAR
Justiça
Vacinação infantil: STF dá 48h para estados explicarem irregularidades
União declarou ter tido acesso a dados considerados “extremamente preocupantes” sobre a aplicação de vacinas contra Covid-19 em crianças
Metrópoles
19/01/2022 | 13:37

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, nesta quarta-feira (19/1), que os estados e o Distrito Federal se manifestem em até 48 horas sobre as supostas irregularidades apontadas pela União em relação à aplicação de vacinas contra Covid-19 em crianças.

O Ministério da Saúde declarou ter tido acesso a dados considerados “extremamente preocupantes” sobre a aplicação de imunizantes em crianças e adolescentes.

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou ao STF que mais de 20 mil crianças foram vacinadas de forma irregular, com doses para adultos ou com imunizantes que ainda não foram autorizados para o público infantil.

Ao apresentar os números, a AGU cita um “contexto de risco eminente para a saúde de crianças e adolescentes”.

A instituição argumenta que isso pode revelar a possível administração de milhares de doses fora dos padrões estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 (PNO).

Após a Anvisa aprovar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid, Lewandowski estabeleceu um prazo para o governo federal apresentar o plano de vacinação.

Assim que o Ministério da Saúde anunciou o início da vacinação infantil, Lewandowski encerrou a ação contra o governo por “perda de objeto”. A imunização infantil começou no último final de semana.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.