BUSCAR
BUSCAR
Alerta
Vacinação contra Covid-19 está longe de reverter subida de casos no Rio Grande do Norte, diz estudo
O Rio Grande do Norte recebeu até quinta-feira 1º mais de 834 mil doses de imunizantes, sendo distribuídas a vacina da Oxford/Astrazeneca e a Coronavac.
Redação
03/04/2021 | 14:40

Um estudo mostra que, com o atual nível de contaminação, o Rio Grande do Norte precisa vacinar 31% da população para a taxa de reprodução da doença comece a cair, o que significa reverter a curva de crescimento de novos casos.

Os dados são de estudo feito pelo Ação Covid-19, grupo de pesquisa interdisciplinar reúne cientistas e pesquisadores de instituições de ensino do Brasil, entre os dias 22 de fevereiro e 22 de março. Os estudiosos correlacionam a taxa de reprodução da doença e os dados da vacinação para apontar a porecentagem necessária de imunizados para mudar o rumo da pandemia.

No Rio Grande do Norte, de acordo com o período analisado, a taxa de reprodução era de 1,19. Ou seja, 100 pessoas contaminadas passavam a doença para outras 119. Já a vacinação à época havia atingido apenas 1,13% da população, segundo os dados do grupo Ação Covid-19.

No entanto, ainda de acordo com os pesquisadores, a interrupção no avanço da doença com a vacinação não significa que as pessoas não precisam se imunizar, explicam os pesquisadores. A imunização de rebanho e as redução das restrições de distaciamento social só vai acontecer com pelo menos 70% da população imunizada.

Vacinação

O Rio Grande do Norte recebeu até esta quinta-feira 1º mais de 834 mil doses de imunizantes, sendo distribuídas a vacina da Oxford/Astrazeneca e a Coronavac.

Todavia, o lento processo de vacinação dentro de um cenário com grande contaminação, observada a nível nacional, dá mais tempo para o vírus se propagar e acumular mutações.

Um receio da comunidade científica é o de que, sem um melhor controle da pandemia da Covid-19, surjam mutações que tornem o vírus mais resistente às vacinas disponíveis.

A vacina Oxford/AstraZeneca, que tem eficácia de 70% contra a cepa original do coronavírus, tem sua eficácia reduzida para 10% contra a variedade da África do Sul.

A conclusão do estudo é que essa vacina não é eficaz contra a variante da África do Sul. É bom lembrar que esse estudo foi feito pelos cientistas de Oxford e da AstraZeneca, que desenvolveram a vacina.

Já a Coronavac, vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, é eficaz contra três variantes do novo coronavírus que circulam no país: a britânica (B.1.1.7), a sul-africana (B.1.351) e a brasileira (B.1.1.28), da qual são derivadas as chamadas P.1 (de Manaus) e a P.2 (do Rio de Janeiro). A informação foi divulgada pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.