BUSCAR
BUSCAR
Investigação
Polícia Civil do RN tem cabeças do “novo cangaço” na mira
Polícia Civil potiguar intensificou as ações contra o chamado “novo cangaço”, denominação que surgiu no início do século e que vem sendo empregada como referência a ações de quadrilhas criminosas que invadem cidades para explodir e assaltar carros-fortes e bancos
Anderson Barbosa
08/10/2020 | 05:02

A Polícia Civil potiguar intensificou as ações contra o chamado “novo cangaço”, denominação que surgiu no início do século e que vem sendo empregada como referência a ações de quadrilhas criminosas que invadem cidades para explodir e assaltar carros-fortes, agências, postos e correspondentes bancários. No Rio Grande do Norte, três criminosos considerados de alta periculosidade estão na mira da Divisão Especializada de Investigação e Combate ao Crime Organizado, a Deicor.

Segundo o delegado Erick Gomes, os nomes dos bandidos ainda não podem ser revelados para não atrapalhar as investigações. “Um deles é paraibano, mas é radicado no Rio Grande do Norte. Os outros dois são potiguares natos”, limitou-se a revelar.

Mais uma quadrilha desbaratada

A mais recente ação de combate ao chamado novo cangaço foi realizada nos últimos dias. Começou na tarde da terça-feira 6, com prisão de um dos homens mais procurados do estado, e terminou nas primeiras horas da manhã desta quarta 7.

Ao todo, nove pessoas foram presas suspeitas de fazerem parte de uma quadrilha especializada em roubo a banco, homicídios e tráfico de drogas, com atuação em municípios da região Oeste potiguar. Contudo, o grupo também é investigado por ações criminosas em cidades da Paraíba.

Além dos nove presos, os agentes ainda apreenderam 122 tabletes prensados de maconha e 19 quilos de crack – droga avaliada em aproximadamente R$ 1,3 milhão – além de uma arma de fogo, 18 munições e cinco veículos.

Os mandados foram cumpridos na praia da Pipa, no litoral Sul do estado, em São José de Mipibu, na Grande Natal, e em Parnamirim, também na região Metropolitana da capital potiguar.

Família do crime

Erasmo Carlos – Foto: Polícia Civil do RN

Entre os presos está um velho conhecido da polícia. Trata-se de Erasmo Carlos da Silva Fernandes, de 38 anos, mais conhecido como “Palmeirense”, natural de Carnaubais, cidade da região Salineira potiguar. Segundo o delegado Erick Gomes, ele é um dos chefes da facção criminosa Sindicato do RN e membro no novo cangaço, tendo participado dos ataques aos bancos de Umarizal (31 de janeiro) e Campo Grande (28 de fevereiro), ambos no Oeste do estado, e em Coremas, na Paraíba, em 16 de setembro.

Também foi presa na operação Patrícia Silva dos Santos, de 35 anos. Natural de Rio Branco (AC), ela é mulher de Palmeirense. “Ela foi responsável em resgatá-lo, em Coremas (PB), após ele conseguir fugir do cerco policial”, acrescentou Erick.

Ainda de acordo com o delegado, também foi preso Keulen Wendell dos Santos Diniz, de 20 anos, apelidado de “Galalau”. Ele é filho de Patrícia. Contra o enteado de Palmeirense haviam três mandados de prisão em aberto (dois por homicídio e um por roubo), crimes ocorridos no Paraná.

Demais presos

Durante a operação também foram presos em flagrante:

  • Mikael Diego Silva da Costa, o “Gudan”, de 34 anos;
  • Cleidson Cavalcanti de Lima, o “Uber”, de 31 anos;
  • Adonilson Ionaci de Medeiros, o “Dom”, de 44 anos;
  • Micheline Mendes de Medeiros, de 41 anos, mulher de Adonilson.
  • Glenda Natalie Albuquerque de Lima, de 30 anos, também chamada de “Patroa”, Galega” ou “Abençoada”;
  • Francisco Hugo Pereira Brandão, o “Hugo”, de 23 anos, namorado de Glenda.

Todos foram autuados por tráfico de drogas, associação ao tráfico, organização criminosa, posse ilegal de arma de fogo e uso de documento falso.

Queda no número de ataques a bancos foi destaque no Agora RN

O trabalho realizado pela Deicor, especialmente as ações de combate ao novo cangaço, foi destaque no jornal e portal Agora RN no dia 19 de setembro. Na ocasião, a reportagem mostrou que houve uma redução, comparando os primeiros oito meses de 2019 com o mesmo período de 2020, no número de ataques a bancos no Rio Grande do Norte.

“Em 2019, foram 22 investidas dos criminosos em território potiguar. Este ano, até o momento, 16. A queda no número de ataques ocorridos no Rio Grande do Norte pode ser considerada uma vitória da segurança pública contra o cangaço”, destacou o delegado Erick Gomes. “Nos últimos 4 anos, a Secretaria de Segurança vem somando esforços na área investigativa, e isso tem enfraquecido o novo cangaço”, acrescentou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.