BUSCAR
BUSCAR
Viagem
Novembro é o mês com mais vendas para alta estação, diz ABIH
Novos destinos de voos diretos para Natal ainda não são o suficiente para lotar viagens e reservas durante baixa e média estação
Ramylle Freitas
10/11/2023 | 05:44

O setor de turismo espera um crescimento no setor para o próximo verão. De acordo com Abdon Gosson, empresário e presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do RN (ABIH-RN), as perspectivas são boas para a temporada. Ele conta que novembro é o mês em que as vendas realmente começam a aquecer.

“A partir de novembro, dezembro, já vem sendo feitas as reservas e as vendas com antecedência. Porém, é a partir de novembro que a gente realmente vai sentir um incremento significativo nas vendas para o verão, que a gente considera o mês de janeiro”, disse Abdon.

Traçando um paralelo com o último verão, o presidente da ABIH-RN fala que espera um crescimento mínimo de 10% a 15% para a próxima estação. Para Abdon, o turismo do Estado necessita de um crescimento contínuo. Dessa forma, esse crescimento já seria satisfatório para o setor retomar as perdas ainda referente à época do primeiro verão da pandemia de Covid-19.

Abdon comenta que em um paralelo de recuperação do momento atual com o período de estado de emergência da pandemia, o setor já conseguiu, em alguns momentos, superar as situações difíceis. Ele afirma, entretanto, que com os ataques violentos na capital potiguar em março deste ano, também houve perdas e dificuldades para o serviço de turismo do Rio Grande do Norte.

“A gente teve aqueles ataques terroristas. Aquele momento eu diria que foi igual à pandemia, que a pandemia fechou tudo. Nós tivemos altos e baixos. Então, a gente espera realmente que não tenhamos nenhum contratempo nos próximos meses, no próximo ano, para que a gente tenha, em 2024, uma retomada definitiva do crescimento desse setor tão importante”, alegou o empresário.

ALTA E BAIXA ESTAÇÃO NO RN

Sobre a implementação de novos destinos como os voos diretos entre Natal e Lisboa, Abdon diz que naturalmente aumentou a procura, em especial para áreas turísticas como Pipa e São Miguel do Gostoso, por exemplo. No entanto, o empresário explica que, mesmo com esse aumento, seria necessário muito mais para manter a hotelaria cheia.

“Tudo que é feito para incrementar sempre é muito bom e a gente tem que agradecer e torcer para crescer. Com certeza aumenta a procura. Ou seja, aqueles hotéis que estariam com a ocupação mais baixa, vão melhorar. Mas não vai encher o destino, entendeu? Não são esses voos que fazem com que o destino fique lotado”, esclareceu Abdon.

O presidente alega que esses períodos em que os voos não estão lotados acontecem em época de baixa estação, pois durante a alta estação (alta estação para o setor de turismo entende-se janeiro e julho), os destinos do Estado ficam cheios. “Mas a gente não vive só de um mês no ano. Ano tem 12 meses. Então no verão a gente já sabe que vai ser muito bom. Mas depois do verão têm fevereiro, março, abril, maio e assim por diante, né? É isso que a gente sempre pensa, o que a gente chama de baixa ou média estação”, declarou.

Cerca de 3,4 milhões de motoristas que não fizeram exame toxicológico começam a ser notificados
O alerta chegará pela Carteira Digital de Trânsito (CDT). O último prazo para realização do teste é dia 30 de abril
17/04/2024 às 17:53
RN atinge 70% do volume de chuvas em abril em 15 dias
Segundo mês da quadra chuvosa registra 70% da média esperada, com previsão de continuidade
16/04/2024 às 15:19
Enem 2024: período para pedir isenção da taxa começa nesta segunda
O prazo de pedidos de isenção do Enem 2024 se estende até 26 de abril e também vale para as justificativas de ausência na edição de 2023
14/04/2024 às 17:10
Novo Código Civil deve reconhecer que animais são seres com sentimentos e direitos
Proposta vai ser debatida no Senado em sessão temática na próxima quarta-feira 17
14/04/2024 às 16:49
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.