BUSCAR
BUSCAR
Religião
Movimento católico solicita retorno das missas; padre pede prudência aos fiéis
Campanha iniciada pelo movimento “Sou Católico Brasil” pede a retomada das celebrações presenciais em todo o Brasil; missas estão suspensas desde o início de março, em atendimento às regras de isolamento social do Ministério da Saúde
Redação
04/05/2020 | 05:00

No auge da pandemia do novo coronavírus, grupos que se identificam como católicos estão usando as redes sociais para pedir a volta das missas nas igrejas. As celebrações presenciais estão suspensas desde o início de março, em atendimento às regras de isolamento social editadas pelo Ministério da Saúde e acatadas pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Um dos grupos usou a página Sou Católico Brasil para angariar assinaturas em uma petição dirigida aos “bispos do Brasil”, pedindo a volta das celebrações. “O que pode ser mais essencial para nós? Por favor, devolvam-nos as santas missas”, dizem os jovens em vídeo.

A mobilização teria se iniciado no dia 19 de abril, na Áustria, espalhando-se pelo mundo. Manifestações semelhantes acontecem no Reino Unido, Canadá e Estados Unidos. Os jovens se dizem dispostos a arrecadar máscaras, produtos de higiene e luvas e permanecer nas portas dos templos para assegurar que os fiéis guardem distância entre si. “Limparemos os bancos, faremos que as igrejas sejam mais seguras do que supermercado.”

O padre Junior Vasconcelos do Amaral, da Paróquia de Nossa Senhora do Guadalupe, em Belo Horizonte (MG), reagiu, pedindo prudência aos fiéis. “Não repliquem tais notícias tendenciosas, sem antes refletir as circunstâncias atuais que estamos vivendo. A vida é dom de Deus e merece ser preservada”, postou na internet.

Os grupos que defendem a volta das missas citam que a Arquidiocese de Florianópolis (SC) liberou a volta dos fiéis às igrejas. No dia 21, o arcebispo d. Wilson Tadeu Jönck publicou recomendação para que as missas e outras celebrações fossem retomadas, com lotação máxima de 30% da capacidade de cada templo. Foi proposto que os fiéis usassem máscaras e guardassem distância de 1,5 metro. Na quarta, porém, em carta aos fiéis, d. Wilson revisou sua posição anterior.

Na terça-feira, a Arquidiocese de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, publicou decreto permitindo a reabertura das igrejas para as orações dos fiéis, sem a celebração de missas. A medida havia se baseado em decreto da prefeitura, que acabou suspenso pela Justiça. No dia seguinte, o arcebispo d. Moacir Silva publicou novo decreto, anulando o anterior.

Sem se referir ao movimento pela volta das missas, a CNBB reforçou a necessidade de manter o isolamento social pelo crescimento dos casos e mortes pela covid-19. “Recomendamos atenção e consideração irrestrita às orientações dos especialistas de saúde e autoridades competentes. As indicações sobre o modo como celebrar a fé cabem aos bispos de cada diocese Todas as normas visam à proteção das pessoas, buscando evitar a contaminação e preservar a vida”, informou.

Na página oficial da CNBB na internet, foi publicado um artigo contrário ao movimento de dom José Carlos de Souza Campos, bispo de Divinópolis (MG). “Quem vai fazer a seleção na entrada? Quem vai estar na porta do templo para mandar de volta para casa o idoso, o cardíaco, o diabético, o fumante e outros dos grupos de riscos que teimosamente desejarem participar? Quem não levar sua máscara e seu álcool vai ser excluído da ‘sadia’ assembleia celebrante? Quem garante para si mesmo o vírus inexiste na sua exuberante saúde aparente? Vale passar na igreja de carro ou a pé e pegar ‘seu pedaço’ de Eucaristia e ir embora, sem celebração, sem assembleia litúrgica, sem saborear a vida comunitária celebrante?”

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.