BUSCAR
BUSCAR
Artigo
General Girão: Segurança hídrica no RN
General Girão
14/04/2020 | 14:35

Em tempos de coronavírus, urge que nós pensemos sobre outras crises que possam vir num futuro breve. Lembro que não agiram assim os políticos em 2012/13/14, quando decidiram investir em estádios de futebol em vez de hospitais ou escolas. Não podemos cometer os mesmos erros do passado.
Em relação à segurança hídrica, precisamos discutir sobre o tema e montar um planejamento para nos contrapormos a outras crises no abastecimento de água.

O semiárido brasileiro é uma região delimitada por três critérios técnicos: precipitação pluviométrica média anual inferior a 800 milímetros; índice de aridez de até 0,5 (relação entre precipitações e a evapotranspiração potencial); e risco de seca maior que 60%. Ocupa 12% do território nacional e é a área semiárida mais povoada do mundo.

O Rio Grande do Norte tem 147 municípios inseridos no semiárido, ou 93,93 % do seu território, sendo um dos estados que mais tem sido afetado pela seca. Em consequência da reduzida capacidade de retenção de água na maioria dessa área, grande parte da população é altamente dependente da captação da água de chuva e de seu armazenamento, uma vez que os rios são intermitentes.

Neste ano, porém, as previsões são alvissareiras. De acordo com o mais recente Boletim de Situação Volumétrica do Rio Grande do Norte, as reservas hídricas estaduais já ultrapassam 30% da capacidade total. Nos 47 reservatórios monitorados com capacidade superior a 5 milhões de metros cúbicos, as reservas hídricas superficiais totais do Estado chegam a mais de 1,3 milhões de m³, o que corresponde a 30,56% da capacidade total de armazenamento nos açudes monitorados. Ainda segundo o referido Boletim, sete dos reservatórios monitorados já sangraram nesta quadra invernosa.

Todavia, é notório que o atual ciclo de chuvas será sucedido por um período de secas, ensejando obras de segurança hídrica que devem ser concluídas o quanto antes. Nesse contexto, vale destacar a Barragem de Oiticica, cujos estudos de viabilidade remontam a 1950. Essa obra foi iniciada em 2013 e já deveria estar concluída, beneficiando com abastecimento uma população da ordem de 330 mil pessoas, em 17 municípios.

O momento é de execução e planejamento do amanhã. Todas as obras planejadas precisam ganhar celeridade, evitando a repetição de “ações emergenciais” contra a seca, que se prolongam por mais de quatro séculos, sem que o País e o RN encontrem soluções definitivas. Precisamos de água em quantidade e qualidade necessárias para o consumo humano e para as atividades agropastoris adequadas às características da região, de modo a garantir a sustentabilidade como plataforma fundamental para o desenvolvimento.

O RN tem jeito, mas precisa ter políticos responsáveis com essa realidade, e com um planejamento de longo prazo.

“A maioria das pessoas não planeja fracassar. Fracassa por não saber planejar” (John L. Beckley)

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.