BUSCAR
BUSCAR
Ecmo
Covid: saiba quanto custa o tratamento com pulmão artificial que Paulo Gustavo está fazendo
A equipe médica do humorista adotou esse tratamento em 2 de abril
Notícias da TV
10/04/2021 | 10:28

Internado com Covid-19, Paulo Gustavo está fazendo desde o início deste mês o tratamento de Ecmo. Conhecida como “terapia por oxigenação por membrana extracorpórea”, essa técnica de pulmão artificial tem uma taxa de recuperação de 50% a 80% de sucesso, de acordo com especialistas. Mas o problema é que essa é uma cara alternativa, que chega a custar até R $ 50 mil por dia.

A equipe médica do humorista adotou esse tratamento em 2 de abril. Ou seja, já são nove dias em que Paulo Gustavo conta com o auxílio do pulmão artificial para condições de oxigenar o organismo e repousar o órgão doente.

O Ecmo é indicado para casos extremamente graves, nos quais a função pulmonar não oferece condições para as trocas gasosas e o uso de respiradores não tem efetividade. Para o uso dessa tecnologia, é necessária uma equipe com treinamento específico e que acompanhe o paciente 24 horas por dia. No processo, também é usada uma combinação de medicamentos específicos.

No boletim médico de Paulo Gustavo, que foi divulgado na noite de sexta-feira (9), a equipe apontou que o estado do comediante de 42 anos é de “estabilidade clínica”. Desde 13 de março, ele está internado no Hospital CopaStar, da Rede D’Or, no Rio de Janeiro.

“O quadro geral mantém o otimismo da equipe profissional, mesmo levando em conta a gravidade que existe em todos os pacientes em uso de mecânica e de Ecmo”, informou uma assessoria do ator.

Confira abaixo um post de Thales Bretas, marido de Paulo Gustavo, sobre o estado de saúde do humorista:

Tratamento pouco acessível

De acordo com Rafael Robba, advogado especializado em direito à saúde, pacientes com prescrição médica têm procurado o escritório em que ele trabalha para tentar garantir o direito ao uso do Ecmo como última alternativa para salvar a vida de familiares em estado grave da Covid-19 .

As disputas judiciais pelo tema têm aumento porque os planos de saúde negam a cobertura do procedimento, amparados pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que não tem a técnica de pulmão artificial na cobertura mínima obrigatória para as operadoras.

“A nova lista de procedimentos de cobertura dos planos de saúde, que começou a valer em 1º de abril, sofreu um retrocesso. Em um momento delicado para a saúde no Brasil, não precisamos ampliar o acesso a tratamentos dos pacientes, a agência reguladora definiu que o rol de cobertura dos planos é taxativo, e não exemplificativo, como sempre foi compreendido “, explica o especialista.

“Faz-se cada vez mais necessário que os pacientes tenham amplo e irrestrito acesso aos melhores tratamentos capazes de salvar vidas e que, para isso, a ANS agilize como incorporações de novas condutas terapêuticas nesse momento de agravamento da pandemia”, defende Robba, advogado do escritório Vilhena Silva, que atende demandas ligadas à saúde.

O tratamento custa entre R $ 30 mil e R $ 50 mil, dependendo do Estado. Segundo a cardiologista e intensivista Ludhmilla Hajjar, que pesquisou na recuperação de Geraldo Luís da Covid-19 e chegou a ser cotada para o Ministério da Saúde, “não se faz [a Ecmo] em alta escala no SUS”.

Apesar de ressaltar que a técnica pode ser utilizada durante um período prolongado, de até 25 dias, e que várias pessoas ao redor do mundo foram salvas pelo tratamento, a médica pondera que esta é uma alternativa custosa para combater à Covid-19 e, portanto , inacessível a uma parte atribuída da população.

“Infelizmente, muitas pessoas como ele não têm chance de serem tratadas em uma ótima estrutura e terem a Ecmo. Não é um procedimento sem efeito colateral, é preciso ponderar se o benefício é maior do que o risco ao paciente”, observou ela em entrevista à CNN Brasil.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.