BUSCAR
BUSCAR
Natal
Decisão define legalidade em greve de servidores municipais e proíbe multa
Município de Natal alegou, dentre vários argumentos, que em relação aos servidores da Saúde, a greve deveria ser declarada liminarmente ilegal
Redação
26/03/2018 | 09:52

Os desembargadores que integram o Pleno do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, não consideraram como “abusiva” ou “ilegal” a greve realizada por servidores municipais e, desta forma, julgaram como improcedentes os pedidos feitos pelo município de Natal, o qual requeria, dentre outros pontos, ressarcimento de supostos danos sofridos pelo poder público, devido à paralisação que ocorreu no ano de 2014.

O município alegou, dentre vários argumentos, que em relação aos servidores da Saúde, a greve deveria ser declarada liminarmente ilegal, uma vez que o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Natal (Sinsenat) não tem a representação desta categoria, contando com um sindicato próprio, o Sindicato dos Servidores da Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde).

A Ação também alegava que os grevistas não poderiam impedir o acesso dos servidores não optantes pela greve e os cidadãos aos prédios públicos do Município e pedia, também, uma multa cominatória de R$ 200 mil por dia, enquanto descumprida a obrigação de não fazer, consistente na “não turbação ou esbulho possessórios” e argumentou que os serviços públicos foram paralisados em sua totalidade, mostrando-se evidente o prejuízo à população, bem como o desrespeito aos artigos 10 e 11 da Lei n.º 7.783/89, e que o sindicato não atendeu o indicativo da manutenção dos serviços essenciais.

Fragilidade de provas

Contudo foi observado nos autos que não ficou demonstrada a abusividade ou ilegalidade da greve, diante da fragilidade das provas documentais trazidas pelo Ente público, enquanto que o Sindicato, em sede de contestação, apresentou documentos como a ata da Assembleia que deliberou pela deflagração da greve e sobre a tentativa de negociação, da qual se extrai o interesse da entidade sindical em discutir a pauta de reivindicação apresentada pelos servidores do município, bem como a comunicação prévia e sua justificativa à autoridade municipal e documento se comprometendo a manter o percentual mínimo de servidores em atividade.

A decisão no TJRN também destacou que, diante de não ser evidenciada a ilegalidade da greve, bem assim demonstrado que o ente público deu razão para a sua deflagração, não deve haver desconto nos contracheques dos servidores que aderiram ao movimento paredista, conforme entendimento do próprio Supremo Tribunal Federal (STF).

Danos

A desembargadora também destacou que, em relação aos supostos danos causados pela não arrecadação tributária decorrente do bloqueio ao acesso ao prédio da Secretaria Municipal de Tributação (Semut), não há prova do alegado, já que a prefeitura não se desincumbiu de demonstrar o real prejuízo aos cofres públicos, sem trazer, aos autos, uma planilha que demonstrasse a não arrecadação de receitas durante o bloqueio as dependências da Semut, ou que evidenciasse, talvez, movimentações de arrecadações tributárias em dias análogos, para que se tivesse uma amostra do quanto era movimentado ao dia na referida secretaria.

 

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.