BUSCAR
BUSCAR
Visão
Caminhoneiro se engana ao achar que vai ter lucro com queda do diesel
Segundo o presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas Equipamentos, José Velloso, caminhoneiros estão enganados ao acreditar que lucram
Agência Estado
30/05/2018 | 17:18

O presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas Equipamentos (Abimaq), José Velloso, afirmou nesta quarta-feira que é um engano dos caminhoneiros acreditar que vão ter um lucro maior com a queda do preço do diesel. A razão, explicou Velloso, é que a demanda por frete ainda é baixa, o que vai forçar o caminhoneiro a aproveitar o custo menor para reduzir o preço do serviço.

O executivo lembrou que, antes da crise econômica, em razão de incentivos do governo, houve um aumento muito forte da venda de caminhões. Com a recessão, o mercado de transportes passou a enfrentar alta ociosidade. Então, argumenta Velloso, num contexto de oferta grande e demanda pequena, o caminhoneiro terá de abaixar o preço. “A margem de lucro não será recomposta com a queda do preço do diesel. Ele vai chegar no mesmo resultado com a redução do preço do frete”, disse.

Em relação à Petrobras, Velloso considera que foi acertada a decisão de passar a aplicar reajustes de preços a cada 30 dias, pelo menos até o fim do ano. Para o executivo, a estatal vinha reajustando o preço com muita frequência porque é monopolista. “Eu não defendo que a estatal volte a fazer o que o governo anterior fazia, mas quem tem concorrente não consegue repassar custo como a Petrobras faz”, disse.

“O que o empresário quer, o que o consumidor da Petrobras, o que a indústria quer é previsibilidade. E a Petrobras precisa preservar seus clientes. Por que a Petrobras dá de ombros pros seus clientes? Porque ela é monopolista”, disse. Para a Abimaq, o nível atual da cotação do dólar, que tem subido em relação ao real desde abril, tem ajudado o setor a ser mais competitivo no mercado internacional. “Nossas exportações estão acima da expectativa”, disse Cristina Zanella, gerente de Economia e Estatística da associação. “Mas se subir um pouco mais que isso começa a prejudicar outros setores”, ponderou.

A projeção da Abimaq para o faturamento em 2018 está mantida em crescimento em torno de 5%. No ano passado, o setor caiu 2,9%, para R$ 67,14 bilhões.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.