BUSCAR
BUSCAR
Investigações
Inquérito das fake news deve ser encerrado pelo Supremo até o fim de julho
Relatório final deve ser encaminhado ao Ministério Público Federal para que avalie eventuais denúncias.
CNN Brasil
10/06/2020 | 11:14

Alvo de críticas por parte do presidente Jair Bolsonaro, o chamado inquérito da fake news, instaurado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar ofensas, ataques e ameaças a ministros da corte, deve ser encerrado até o fim de julho. 

Segundo a CNN apurou, as investigações não serão prorrogadas para além do prazo preestabelecido, sendo concluídas ainda na gestão do presidente Dias Toffoli – responsável pela abertura do inquérito. O relatório final deve ser encaminhado ao Ministério Público Federal para que avalie eventuais denúncias. 

A mais recente investida do inquérito contra aliados de Bolsonaro provocou uma escalada do conflito entre o Palácio do Planalto e o Supremo. 

A partir desta quarta-feira (10), no entanto, a expectativa é a de que a maioria do plenário do Supremo dê aval ao prosseguimento das investigações. Os ministros vão julgar uma ação em que a Rede Sustentabilidade pede o arquivamento do caso, por irregularidades na tramitação.

A perspectiva é a de que o tribunal faça modulações na condução do inquérito, entre as quais a determinação da participação mais efetiva da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O inquérito foi aberto em março do ano passado por ordem de Toffoli, e não a pedido da PGR, como é a praxe. Apesar de incomum, a situação está prevista no Regimento Interno do Supremo. A relatoria do inquérito ficou sob responsabilidade do ministro Alexandre de Moraes.

O respaldo do plenário da corte à legitimidade das investigações é tido como um importante gesto de defesa da instituição no momento em que Bolsonaro passou a ser presença frequente em atos que pedem o fechamento do Supremo e do Congresso.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.