BUSCAR
BUSCAR
Paralisação
Entregadores por aplicativo fazem greve nacional nesta quarta (1º)
Entregadores tentam negociar melhores condições de trabalho
UOL
01/07/2020 | 07:48

“A gente quer que a população saiba o quanto custa uma entrega mais barata ou gratuita”.

A frase dita a Tilt pelo entregador Edgar Silva, mais conhecido como “Gringo”, resume o sentimento de uma categoria. Parte dos entregadores fará nesta quarta (1º) uma paralisação nacional com exigências a apps como iFood, Rappi, Uber Eats e Loggi, em um novo desafio à chamada “economia de bico” no Brasil.

A previsão é que a manifestação ocorra em vários estados do Brasil —inclusive com atos físicos em alguns— e que chegue até a outros países. Além da paralisação, entregadores pedem para que usuários de serviços de delivery não peçam nada ao longo da quarta-feira, em apoio ao movimento.

Essa será uma nova tentativa de os prestadores de serviços a apps chamarem atenção para problemas na relação entre empregador e empregado – que os apps chamam de “parceiros”. Anteriormente, motoristas de aplicativos como Uber e 99 já fizeram tentativas de greve, mas o alcance foi limitado.

O movimento começou a ser desenhado nos últimos meses com alguns pequenos protestos e, segundo entregadores, surgiu de forma orgânica em grupos de WhatsApp devido à revolta contra as plataformas. A principal reclamação deles é sobre a precariedade do trabalho, que muitas vezes envolve trabalhar muito e ganhar pouco.

“Só queremos ganhar melhor para almoçar dignamente, trocar peça da moto e não andar precarizado. O novo normal não precisa ser só a mascara e álcool gel, é a forma nova de trabalhar. Só queremos ser remunerados”, contou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.