BUSCAR
BUSCAR
Pandemia
Brasileiro não sabe se escuta o ministro ou o presidente, diz Mandetta
Ministro da Saúde disse também ao Fantástico que maio e junho serão os meses mais duros para o sistema de saúde
Folha de São Paulo
13/04/2020 | 08:54

O ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse neste domingo (12) que o brasileiro não sabe se escuta ele ou o presidente Jair Bolsonaro e alertou que os meses de maio e junho serão os mais duros.

Ao ser questionado sobre a divergência de opiniões entre ele e o presidente, Mandetta pediu um alinhamento de discurso para evitar “dubiedade”.

“Espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única, uma fala unificada. Porque isso leva para o brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se escuta o ministro da saúde, se escuta o presidente, quem é que ele escuta”, disse o ministro, em entrevista ao Fantástico, da Rede Globo.

A entrevista foi cedida a partir do Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, sede do governo estadual de Goiás. O governador Ronaldo Caiado (DEM) rompeu recentemente com o presidente Jair Bolsonaro.

Ao falar sobre os “diferentes modelos de enfrentamento”, Mandetta se referia ao argumento do presidente Jair Bolsonaro de que se mostra necessário preservar a economia. Por isso seria necessário afrouxar as regras de isolamento social para permitir que parte da população retome suas atividades.

No entanto, o ministro fala que as divergências públicas levam muitos a pensar que ele está contra o presidente. E por isso a relação entre eles preocupa.

“Ela [a relação com o presidente] preocupa porque a população olha e fala assim: ‘olha, vem cá, será que o ministro da Saúde é contra o presidente, né?’. E não há ninguém contra ou a favor de nada. É o que eu digo, nosso inimigo, nosso adversário, quem a gente tem que ter foco para falar ‘esse aqui é o nosso problema’, é o coronavírus”, disse,. “Se eu estou ministro da Saúde, eu estou ministro da Saúde por obra de nomeação do presidente”, completou.

Mandetta também afirmou que o ministério acredita que maio e junho serão os meses mais duros no combate ao coronavírus.

“Sabemos também, desde o início, quando fizemos as projeções, que a primeira quinzena de abril, seria a quinzena que aumentaríamos [os casos e mortes] e que os meses de maio e junho seriam os meses de maior estresse para o nosso sistema de saúde”, disse o ministro.

“Sabemos que serão dias duros, seja conosco ou seja com qualquer outra pessoa [como ministro]. Achamos que nós teremos, no mês de maio, no mês de junho, em algumas regiões em julho, nós teremos dias muito duros”.

Os técnicos do ministério trabalham com a hipótese de que o pico da epidemia seja atingido entre o fim de abril e início de maio. No entanto, a pasta esclarece que isso não significa que, após esse período, vai se seguir uma queda nos índices de casos registrados e óbitos.

A tendência é que esse período de alta transmissão da doença se mantenha na sequência por até dez semanas, provocando uma grande pressão sobre o sistema de saúde.

Ainda neste domingo, o presidente Jair Bolsonaro havia ido na contramão da fala de seu ministro da Saúde. Em uma live com religiosos, o presidente declarou que “parece que está começando a ir embora essa questão do vírus, mas está chegando e batendo forte a questão do desemprego”, disse.

O ministro voltou a defender as políticas de isolamento social como forma de evitar a propagação do vírus. Mandetta evitou fazer uma projeção dos números de casos e mortes provocadas pelo novo coronavírus e afirmou que os próximos dias vão depender do comportamento da sociedade.

“Quando você vê as pessoas entrando em padaria, entrando em supermercado, entrando em situações, fazendo aquelas filas uma atrás das outras, encostadas, grudadas, pessoas que estão ali fazendo piquenique em parques, aglomeradas. Isso é claramente uma coisa equivocada”.

Na quinta-feira (9), novamente ignorando as recomendações de isolamento social do Ministério da Saúde, o presidente parou em uma padaria de Brasília, ao deixar o Palácio do Planalto. Bolsonaro tirou fotos e cumprimentou apoiadores, depois de tomar um lanche.

Mandetta também afirmou que a realização de testes em massa em toda a população é inviável.

“Não existe capacidade de fazer uma testagem de 200 milhões de habitantes”, disse o ministro
Mandetta acrescentou que serão priorizados para os testes, inicialmente, os profissionais da área da saúde e da área de segurança, como policiais e bombeiros.

“A gente vai trabalhando [aplicando os testes] basicamente com os trabalhadores que nos são mais importantes no momento”.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.