Publicidade
Campanha
“Imagem do médico está sendo desgastada”, alerta Geraldo Ferreira
Presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, Geraldo Ferreira, critica ‘campanhas difamatórias’ que estão curso contra a categoria
geraldo ferreira sinmed
Divulgação
Presidente do Sindicato dos Médicos (Sinmed/RN), Geraldo Ferreira

Recentemente, médicos do Rio Grande do Norte e de todo país estão sendo alvos de críticas. Para a categoria, uma ‘campanha de difamação’ vem sendo realizada por partidos de esquerda para que a imagem do profissional de medicina seja desgastada, causando consequente problemas com a população, seja em atendimentos no setor público ou através dos hospitais privados. Pelo menos esse foi o panorama retratado pelo Dr. Geraldo Ferreira, presidente do Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed), à reportagem do Agora Jornal.

Segundo o médico sindicalista, além da própria ideologia esquerdista, outros fatores têm contribuído para que a figura dos profissionais da medicina seja denegrida perante a população. Isso, obviamente, gera preocupação nos afetados. “Estamos atentos a tudo. É uma questão que, em verdade, ultrapassa a barreira do Estado. A imagem do profissional de medicina está sendo desgastada, no nosso entendimento, de maneira proposital devido a um conjunto de interesses”, declarou Ferreira.

Para Geraldo, uma das intenções das campanhas ‘anti-médicos’ é a de baixar a remuneração dos profissionais, que atualmente são bem pagos para exercerem suas funções tanto no setor público como no privado. “Querem desmobilizar a categoria para que se possa implantar mais faculdades de medicina, formar mais pessoas, deixar um exército de reservas de médicos para que, em consequência disso, se diminua a remuneração do profissional”, disse.

Questionado sobre quais medidas estão sendo adotadas pelos médicos para que o impacto das campanhas não sejam piores do que já estão sendo, o presidente do Sinmed admitiu que reuniões estão sendo realizadas entre a categoria para que se possa encontrar uma maneira de defesa, principalmente relacionadas aos ataques – as vezes físicos – que os profissionais estão sofrendo diariamente.

“Estamos organizando reuniões entre Conselho e Associação Médica para criar um Comitê de Resposta Rápida, que terá representantes do nosso setor jurídico. Eles trabalharão com essas questões de agressões à figura do médico, sejam elas verbais ou físicas, que também podem acontecer até mesmo em pronto-socorro, tudo em reflexo da campanha difamatória que está sendo feita contra a classe”, revelou.

“As Entidades médicas tem que ser prestigiadas e fortalecidas e as lideranças apoiadas e ajudadas para bem conduzir as nossas lutas. É preciso resistir e não deixar que maculem a imagem do médico, reagindo a cada tentativa que o complô de interesses vis vem semeando na mídia e na sociedade”, concluiu.

Publicidade
Publicidade