BUSCAR
BUSCAR
Televisão
Por que a nova novela das 6 incendeia briga de Bolsonaro com a Globo?
Na novela "Nos Tempos do Imperador", o público vai se ver dividido entre dois Pedros, bastante antagônicos entre si
Notícias da TV
09/08/2021 | 14:15

Nos Tempos do Imperador, novela inédita das seis que estreia na próxima segunda 9, deve esquentar ainda mais a conturbada relação entre a Globo e Jair Bolsonaro. Os autores Alessandro Marson e Thereza Falcão deixaram claro o desejo de resgatar a figura de liderança de dom Pedro 2º (1825-1891), batendo de frente com os interesses do presidente –abertamente apoiado por parte dos Orleans e Bragança.

Os roteiristas já explicaram ao Notícias da TV que pretendem ressaltar a figura do imperador como um governante realmente comprometido com o país, sem passar pano para seus erros. “Nós vamos destacar a relação dele com o ensino, com a cultura e com a ciência, em como ele tinha um olhar para outro Brasil possível”, disse Thereza.

A questão é que uma grande parcela dessa narrativa também é fundamental para o bolsonarismo, que tenta se aproveitar de um verniz nacionalista para se apresentar como um sucessor natural do Império e, principalmente, de seus ideais –resumidos basicamente no lema “Deus, pátria e família”.

Em suma, o público vai se ver dividido entre dois Pedros, bastante antagônicos entre si. O interpretado por Selton Mello no folhetim é bem mais cosmopolita, liberal e “moderninho” do que a imagem fetichizada pelos apoiadores do militar, para quem o imperador é um dos baluartes do conservadorismo no Brasil.

Essa disputa pelo legado do monarca não vai ser tão sutil quanto se pensa. E não só porque os autores devem repetir as críticas que fizeram a Michel Temer em Novo Mundo (2017), com eventuais alfinetadas ao atual presidente na produção inédita.

As diferenças ficarão claras já no choque de narrativas sobre o fim da escravidão do Brasil, que vai ser o “fio na navalha” para cada um dos lados reivindicarem as “barbas” do imperador para si.

globo nos tempos do imperador selton mello leticia sabatella joao miguel junior tvglobo

Na ponta do lápis

A novela frisa que o nobre foi um abolicionista, mas não compra a ideia de que a questão foi resolvida simplesmente por decreto da princesa Isabel (1846-1921). Nessa versão, a família imperial foi muito mais refém dos proprietários de terra, principais apoiadores do regime e favoráveis ao escravismo, do que protagonista nesse processo.

“Não quisemos retratar os nossos personagens negros apenas como pessoas escravizadas, como sempre aconteceu na teledramaturgia. Eles são figuras complexas, que construíram a própria luta pela liberdade, até para que a gente possa lembrar que a Abolição não foi resultado de uma canetada”, acrescenta Thereza.

Do outro lado, a perpetuação de Isabel como uma redentora é fundamental para a direita mais afinada com Bolsonaro, que assim pode limpar a barra de outras personas que lhe são fundamentais, como Borba Gato (1649-1718). Como se a Lei Áurea fosse parte integrante do próprio processo de colonização levado a cabo pelos antepassados de Pedro.

Essa visão reforçaria o mito da “democracia racial”, em que a própria elite branca reconheceu o seu erro e se redimiu com a população negra. Ou seja, não haveria necessidade de políticas afirmativas, como cotas, porque o racismo não seria intrínseco da sociedade brasileira –e, sim, um problema “importado”, como definido pelo próprio Bolsonaro.

globo nos tempos do imperador melissa nobrega selton mello letiica sabatella any maia joao miguel junior tvglobo

Verde e amarelo

Bolsonaro sai na frente da Globo na briga pelo legado de Pedro 2º ao ter o deputado federal Luiz de Orleans e Bragança ao seu lado. Ele foi um dos candidatos a vice na chapa de 2018, perdendo espaço posteriormente para o general Hamilton Mourão. Ele representaria uma ligação direta entre os projetos de poder de Bolsonaro e seu tataravô Pedro.

O autointitulado príncipe do Brasil, cargo que para efeitos oficiais foi extinto com a proclamação da República em 1889, acabaria ainda se tornando um dos apoiadores mais ferrenhos do chefe do Executivo na Câmara.

Além do apoio direto, Bolsonaro é um pouco mais sutil ao se apropriar das cores da bandeira como uma maneira de simbolizar também que seu governo é uma tentativa de restaurar a “glória” do Brasil dos tempos do Império.

Afinal, o verde não remete às matas, mas sim a casa dos Bragança de dom Pedro 1º (1798-1834). O losango amarelo, diga-se de passagem, também não é uma alusão ao ouro que embarcou para a Europa e hoje decora as igrejas barrocas portuguesas. Trata-se da cor oficial da Casa dos Habsburgo, da imperatriz Leopoldina (1797-1826).

Nesse sentido, Nos Tempos do Imperador estaria antenada com o desejo de parte da sociedade civil, que reúne espectros que vão da direita à esquerda, de resgatar os símbolos nacionais da mão do bolsonarismo. E dom Pedro 2º é só mais um deles.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.