BUSCAR
BUSCAR
Violência
Pedrinho Matador conta que matou pai e mastigou o coração: “Vingança”
Um dos maiores serial killers do país, Pedro Rodrigues Filho relatou como foi seu primeiro crime e deu detalhes de como assassinou o pai
Metrópoles
28/05/2021 | 16:21

Pedro Rodrigues Filho, mais conhecido como Pedrinho Matador, um dos maiores serial killers do país, relatado ao podcast Flow-Verso que cortou e mastigou o coração do próprio pai, após ele matar sua mãe.

Matador contou que foi atrás do pai enquanto estava preso, já que os dois encontravam-se na mesma penitenciária. Ele relatou ter prometido vingança contra o pai perante o túmulo da mãe, e cumpriu com sua promessa.

“Eu matei meu pai na cadeia. Estava preso já, fiquei 42 anos preso. Meu pai estava preso, arrumei um ‘bem bolado’ e cheguei até a cela do meu pai. Eu falei no caixão da minha mãe e jurei vingança. Eu só mastiguei [o coração]. Cortei o bico do coração e mastiguei, e joguei em cima do corpo ”, contou.

Pedrinho Matador foi condenado a mais de 130 anos de prisão, e cumpriu 37 deles, deixando uma cadeia em 2007. Ele nasceu em uma fazenda de Santa Rita do Sapucaí, em Minas Gerais, levou a vida praticando atos que surpreendem pela crueldade.

Ao podcast, Matador, que teve uma vida simples no interior de Mogi das Cruzes (SP), também relatou que seu primeiro crime foi jogar o próprio primo em um moedor de cana.

“Eu empurrei ele pensando que ia passar o corpo dele, só passou o braço, depois piquei ele no facão. Só não passou a cabeça, a cabeça ficou rodando ”, contou.

Matador afirmou que o motivo foi o primo ter o acusado de roubar um cavalo. “Ele me deu um soco nos olhos e eu disse: ‘Vou matar você’.”

Pedrinho voltaria a matar?

No ano passado, em entrevista ao podcast Ficha Criminal, Matador afirmou que não voltaria a matar, contanto que ninguém tire a vida das pessoas que ele ama.

“Não. Para mim [sic] voltar a matar só se vier tirar minha vida ou das pessoas que eu amo, que é a minha família. Aí tem que voltar para a guerra, né? Por enquanto, eu tô usando meu jogo de cintura, pulo daqui, pulo dali, eu tô procurando uma paz. Eu não tô querendo mais guerra, tô correndo de guerra, porque eu já sofri muito. Não aguento tirar cadeia mais, não. Tá doido?”, Afirmou.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.