BUSCAR
BUSCAR
Celebridades
Danilo Gentili é processado por ofender enfermeiras com piada sobre masturbação
Apresentador do The Noite, do SBT, virou alvo em uma ação de danos morais no valor de R$ 41 mil que corre na Justiça de São Paulo
Notícias da TV
22/02/2021 | 08:07

Danilo Gentili, 41 anos, está sendo processado pelo Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo por ter feito uma piada sobre masturbação com os profissionais da saúde. O apresentador do The Noite, do SBT, virou alvo em uma ação de danos morais no valor de R$ 41 mil que corre na 42ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo desde dezembro.

Em 1º de dezembro do ano passado, Gentili usou seu Twitter para fazer uma piada envolvendo a classe. “Vocês sabem se existe um asilo especializado onde as enfermeiras batem uma pros véios? Essa tem sido uma preocupação minha quando penso no futuro. Existe esse tipo de serviço?”, escreveu ele, que passou a ser criticado nas redes sociais.

O gracejo do comunicador gerou uma nota de repúdio do Coren (Conselho Regional de Enfermagem) de São Paulo. Para a instituição, o “conteúdo não tem qualquer veia cômica e configura uma gratuita e descabida agressão à enfermagem”, sendo “uma tentativa de erotizar a profissão, majoritariamente feminina”.

“A mensagem, além de machista [por desqualificar o trabalho da enfermagem feminina] e misógina [por aferir às mulheres apenas a satisfação do desejo sexual de um homem], é também uma apologia ao assédio sexual e um desrespeito imediato às profissionais que atuam com dedicação, compromisso e conhecimento técnico nas instituições de longa permanência para idosos”, declarou o Coren em nota.

“Em meio à pandemia do novo coronavírus, quando a sociedade passou a enxergar a realidade e a importância da enfermagem na assistência, tudo que a profissão não precisa é de mais uma agressão”, completou o conselho. O Conselho Federal de Enfermagem alertou que abriria uma representação criminal contra o artista.

A polêmica seguiu com o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, que impetrou de fato um processo contra Gentili em 14 de dezembro. Em comunicado oficial, a corporação classificou o apresentador como “humorista sem limites” por ofender os profissionais da saúde em publicação que “incentiva o assédio moral e sexual, ataca a imagem de mães, filhas, tias, esposas e namoradas que enfrentam o mercado de trabalho para sobreviver e muitas vezes são o arrimo da família”.

Na ação, o sindicato pede “pagamento de indenização correspondente a 40 salários mínimos (R$ 41.800) a título de danos morais às enfermeiras”. A entidade também pede retratação pública e retirada imediata da postagem no Twitter.

Segundo a associação, o desejo é de “efetiva condenação, para demonstrar que existem limites entre banalidade, dignidade e honra e que o respeito, o caráter e comportamento profissional sempre foram pilares de conduta das enfermeiras em qualquer local de trabalho”.

Piada permanece na rede social

Para tal, o sindicato entrou com pedido de tutela de urgência ainda em dezembro, mas a Justiça rejeitou a liminar para a exclusão da postagem. Para o juiz André Augusto Salvador Bezerra, mandar apagar o conteúdo poderia caracterizar censura.

“Sem embargo dos argumentos articulados na inicial, a determinação de retirada de conteúdo de postagem por danos que se alegam coletivos resvala na censura, principalmente no início do processo. Sendo assim, de bom ou mau gosto, a ‘piada’ não pode ser excluída, ao menos neste momento procedimental”, determinou o magistrado em sua decisão.

Ao Notícias da TV, André Luiz Caetano, advogado do sindicato, informou que vai aguardar Gentili se manifestar oficialmente no caso após ser intimado. “O jurista analisou a liminar e entendeu que a princípio, sem a manifestação da parte contrária, pode se caracterizar uma censura. Nós não entramos nesse mérito ainda: se é ou não censura. Claro que para nós [o sindicato] não é”, explicou.

“Não se pode ferir a imagem de uma categoria, ainda mais em plena pandemia. A forma que ele colocou no Twitter ofende de modo geral, por isso, se pediu a exclusão. O processo vai continuar. A princípio, vamos esperar a defesa e eventual decisão judicial, pois essa foi uma análise preliminar. A liminar antecipa o mérito. O juiz não quis antecipar o mérito por considerar censura”, completou.

O outro lado 

Procurado, o apresentador não se manifestou sobre o processo até o fechamento deste texto. A assessoria do SBT, por sua vez, encaminhou uma nota de Gentili que já havia sido enviada para a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, em 3 de dezembro.

Na ocasião, o funcionário de Silvio Santos comentou a nota de repúdio do Coren por seu tuíte “jocoso”. A comunicação da emissora solicitou a reprodução na íntegra da resposta de Gentili. Leia:

“Eu fiz esse comentário jocoso enquanto assistia à comédia italiana clássica Feios, Sujos e Malvados de Ettore Scola. A cena em questão era essa.

Hoje o Conselho Federal de Enfermagem me indiciou criminalmente por uma piada que fiz enquanto assistia a um filme de comédia. Aos leitores: acham mesmo proporcional isso tudo? Se uma piadinha de Twitter merece ser indiciada criminalmente, o que não fariam com o cineasta Ettore Scola, que filmou e eternizou tal cena cômica? Linchamento? Pena de morte?

Sinceramente eu lamento que, em plena pandemia, enquanto tantos profissionais de enfermagem arriscam suas vidas para salvar outras, um Conselho perca tempo debatendo piadinhas banais ao invés de mirar todos seus esforços em proteger os enfermeiros e enfermeiras que muitas vezes são obrigados a trabalhar sem os devidos equipamentos de proteção em diversas unidades de saúde de São Paulo e do Brasil. Mas cada órgão com as suas prioridades, não é mesmo?

Aliás, piadas à parte, deixo meus aplausos a esses heróis e heroínas que não se escondem atrás de mesinhas de sindicatos e conselhos e por isso não têm tempo de patrulhar piadinha de Twitter. Desejo dias melhores para nossos heróis da enfermagem. E também para nossos anti-heróis da comédia.”

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.