BUSCAR
BUSCAR
Polêmica
Bolsonaro recua e anula nomeação de Ramagem para chefia da Polícia Federal
Anulação da nomeação foi publicada no Diário Oficial da União com assinatura do presidente; antes, ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes barrou a indicação do Planalto. Presidente afirmou que AGU vai recorrer da decisão
Redação
30/04/2020 | 05:00

O presidente Jair Bolsonaro editou um decreto nesta quarta-feira (29) que anula a nomeação do ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal. A decisão ocorre após o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, suspender a troca de comando da PF em decisão liminar, e representa um recuo do presidente.

Segundo informações de bastidores, o governo foi avisado que poderia perder no plenário da Corte caso insistisse na nomeação. Agora, o Planalto corre atrás de um novo nome para assumir a direção da PF.

Um dos cotados é o atual secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Torres. O governador Ibaneis Rocha, que voltou a se aproximar de Bolsonaro, participou de cerimônia ontem no Palácio do Planalto.

O decreto anulando a nomeação de Ramagem na PF foi publicado no início da tarde no Diário Oficial da União com a assinatura do presidente. A medida também anula a exoneração da direção da Abin, cargo que ele volta a ocupar.

Ontem de manhã, o ministro do STF Alexandre de Moraes aceitou os argumentos do PDT, que apontou “abuso de poder por desvio de finalidade” na nomeação de Ramagem para o cargo. O partido alega que a indicação de um amigo da família Bolsonaro para o posto teve como objetivo interferir politicamente no órgão de investigação.

A ação do partido se baseou em declarações do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, que acusou Bolsonaro de tentar interferir nos rumos de investigações e de cobrar relatórios de inteligência da PF.

De acordo com Moraes, as declarações de Moro, a divulgação de mensagens trocadas entre o presidente com o ex-ministro e a abertura do inquérito no próprio Supremo para investigar as acusações motivam a necessidade de impedir a posse de Ramagem. Segundo Alexandre de Moraes, o caso apresenta “ocorrência de desvio de finalidade”.

“Apresenta-se viável a ocorrência de desvio de finalidade do ato presidencial de nomeação do Diretor da Polícia Federal, em inobservância aos princípios constitucionais da impessoalidade, da moralidade e do interesse público”, afirma Moraes.

O ministro do Supremo pontuou que a Polícia Federal não é “órgão de inteligência da Presidência da República”.

Para Moraes, cabe ao Supremo o “dever de analisar se determinada nomeação, no exercício do poder discricionário do Presidente da República, está vinculada ao império constitucional”, pois o ato de nomeação “deve ser feito legal, moral e impessoalmente” pelo governo federal. O ministro destacou que, no caso específico, Bolsonaro não apenas deixou de rebater Moro, como confirmou as alegações do ex-ministro.

“Essas alegações foram confirmadas, no mesmo dia, pelo próprio Presidente da República, também em entrevista coletiva, ao afirmar que, por não possuir informações da Polícia Federal, precisaria ‘todo dia ter um relatório do que aconteceu, em especial nas últimas vinte e quatro horas’”, escreveu Alexandre.

A posse de Ramagem estava prevista para as 15h de hoje, juntamente com a do novo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, e do novo advogado-geral da União, José Levi.

“QUEM MANDA SOU EU”

Em nota, a Advocacia-Geral da União (AGU) informou que não vai recorrer da decisão de Moraes. Duas horas depois, o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o órgão e disse que o governo vai tentar reverter a decisão. “Quem manda sou eu”, afirmou o presidente.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.