BUSCAR
BUSCAR
Justiça
Alexandre de Moraes nega pedido da PGR para expulsar Danilo Gentili do Twitter
"Conforme já ressaltado, o requerido Danilo Gentili Júnior não possui prerrogativa de foro perante o Supremo Tribunal Federal", escreveu Moraes
Redação
07/04/2021 | 16:48

Alexandre de Moraes negou pela segunda vez o pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) para banir Danilo Gentili do Twitter, além de aplicar uma série de sanções contra o humorista. Em decisão na última segunda-feira 5, o ministro do STF reforçou que o apresentador do Noite no SBT não tem prerrogativa para ser julgado pela Corte. O Notícias da TV teve acesso ao documento.

“Conforme já ressaltado, o requerido Danilo Gentili Júnior não possui prerrogativa de foro perante o Supremo Tribunal Federal”, escreveu Moraes. “Diante disso, encaminhe-se os autos ao douto Procurador-Geral da República para que justifique a conexão apontada, que teria o condão de manter a investigação perante essa Corte”, determinou o ministro do STF.

Na quarta-feira (6), a decisão foi enviada à PGR, comandada pelo procurador Augusto Aras. Por conta disso, Danilo Gentili segue livre de qualquer sanção judicial.

O comediante começou a ser investigado depois de publicar , em 25 de fevereiro, o seguinte post no Twitter: “Eu só acreditaria que esse país tem jeito se a população entrar agora na Câmara e socasse todo deputado que está
nesse momento discutindo PEC de imunidade parlamentar “

Gentili até apagou a provocação, mas a Câmara dos Deputados, em um movimento coordenado pelo deputado Luis Tibé (Avante-MG), com a permissão de líderes partidários e do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), pediu que o apresentador do SBT fosse preso com base na Lei de Segurança Nacional, como aconteceu com o parlamentar Daniel Silveira (PTB-RJ).

Em 4 de março, a petição com a notícia-crime dos congressistas chegou ao ministro Alexandre de Moraes, que é relator do inquérito contra Silveira. O magistrado do STF encaminhou o processo contra Gentili para um PGR justificar o motivo do humorista ser investigado pela Corte.

O órgão comandado por Aras entendeu que o comediante não poderia ser enquadrado na Lei de Segurança Nacional, mas deveria entrar no Inquérito 4.828 / DF, em que se investigam atos e manifestações antidemocráticas e atentatórias às instituições do Estado.

Por isso, a PGR pediu medidas cautelares contra Gentili: “Proibição de frequentar redes sociais apontadas como meios da prática dos crimes ora sob apuração; proibição de se aproximar menos de um quilômetro da Câmara dos Deputados; proibição de mobilizar, organizar ou integrar cunho ofensivo a qualquer dos Poderes da República, ou de seus integrantes; proibição de ausentar-se da Comarca de sua residência sem autorização judicial “, solicitou o Procuradoria-Geral.

Em março, a defesa do apresentador do A Noite rebateu todos os pedidos contra o humorista: “As medidas cautelares pleiteadas seriam desproporcionais, por falta de necessidade e adequação, uma vez que, por ato voluntário do requerido, a publicação foi excluída e retratada ( o que, sob uma perspectiva do crime contra a honra, até afastaria a aplicabilidade de eventual pena), não havendo notícia de sinais de possível reiteração “.

Com a nova movimentação processual, a PGR terá de elaborar uma nova justificativa para demonstrar ao Supremo Tribunal Federal que Danilo Gentili deve entrar no inquérito aberto na Corte.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.