BUSCAR
BUSCAR
Entrevista
Advogado defende “penas rigorosas” contra fake news
Felipe Cortez comenta discussão, no Congresso Nacional, de proposta que endurece regras para combater a disseminação de notícias falsas na web
Redação
06/07/2020 | 22:44

Apesar da pressão de bolsonaristas contra o projeto de lei das fake news, a Câmara vai colocar a proposta em discussão nesta semana. “Vamos começar a discutir esta semana”, afirmou no último fim de semana o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Alvo de polêmica e críticas do presidente Jair Bolsonaro, o projeto foi aprovado pelo Senado no último dia 30 e propõe um marco inédito na regulamentação do uso das redes sociais, criando a chamada Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet. O chefe do Planalto, que faz uso frequente das redes sociais para fazer política e falar a seus apoiadores, prometeu vetar a medida.

Nesta entrevista ao Agora RN, o advogado Felipe Cortez, especialista em legislação eleitoral, comenta a tramitação do projeto e outros assuntos relativos à eleição de 2020. Confira:

AGORA RN – Como o senhor avalia a decisão do Congresso de adiar as eleições para novembro? Foi uma decisão acertada, em sua opinião?

FELIPE CORTEZ – Sim, foi acertada. O País precisa de um conforto maior nos leitos de UTI para suportar essa pandemia. Ouviu-se a ciência e encontrou-se uma solução segura. O que não poderia haver, em hipótese alguma, seria a prorrogação de mandatos.

AGORA – Que protocolos o senhor defende que sejam adotados para que a eleição transcorra em segurança, além do adiamento?

FC – Imagino que as pessoas não estarão receptivas a aglomerações e nem a receber candidatos em suas casas. Na minha ótica, a eleição deverá ter um viés mais voltado para o contato digital e online com o eleitor.

AGORA – O Congresso decidiu modificar o calendário eleitoral apenas com relação aos prazos que ainda não venceram. Não seria o caso de reabrir alguns prazos, já que se ganhou cerca de 45 dias até a data do pleito?

FC – Não. A emenda constitucional que prorrogou a eleição só tratou da mudança desses prazos com relação à desincompatibilização. Os demais prazos são contados da data da nova eleição, e essa foi uma medida correta.

AGORA – Além das alterações de datas trazidas pela PEC 18, que outras mudanças significativas a eleição de 2020 terá, na sua avaliação?

FC – A forma de fazer campanha. Como eu afirmei acima, ela será muito diferente e distante dos grandes eventos que causam aglomerado de pessoas.

AGORA – A campanha deste ano terá de ser reinventada, porque, mesmo no segundo semestre, as aglomerações devem continuar proibidas. Qual será o principal desafio dos candidatos na campanha deste ano?

FC – Ter um bom profissonal de marketing político e digital ao seu lado. Não vejo outra saída que não essa.

AGORA – O isolamento social tem impacto na legitimidade das eleições?

FC – Em parte. Eu penso que o eleitor saberá escolher os melhores nomes com a propaganda que será realizada digitalmente.

AGORA – Como o senhor analisa os projetos em discussão para barrar a disseminação de notícias falsas na internet, sobretudo em um ano eleitoral?

FC – São fundamentais para a normalidade do pleito. Devem trazer penas rigorosas e efetivas para inibir esse tipo de comportamento ilegal.

AGORA – Acredita que o fim das coligações na eleição proporcional vai enfraquecer ou fortalecer partidos? Por quê?

FC – Acredito que fortalece os partidos, porque diminui a pulverização de candidatos eleitos por vários partidos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.