BUSCAR
BUSCAR
História
Conheça a lenda da boneca da Xuxa possuída que aterrorizou cidade brasileira
Após ser adiada diversas vezes, a boneca da Xuxa foi lançada em 4 de maio de 1987.
Figuras do POP
03/11/2021 | 16:22

Xuxa Meneghel foi um verdadeiro fenômeno da televisão brasileira na década de 1980. Em 1985, a Rainha dos Baixinhos conheceu a história de uma fã mirim que só dormia abraçada com uma boneca de pano, feita pela mãe, era inspirada em sua imagem.

Naquela época, Xuxa Meneghel já fazia sucesso apresentando o Clube da Criança, na extinta TV Manchete. Com a história, Xuxa firmou uma parceria com a Brinquedos Mimo para a criação de uma boneca inspirada na apresentadora.

Após ser adiada diversas vezes, a boneca da Xuxa foi lançada em 4 de maio de 1987. Segundo explica o portal Segredos do Mundo, do R7, todo o processo de criação do brinquedo foi acompanhado de perto por Maurício de Sousa.

Além do criador da Turma da Mônica, a estilista Márcia Cunha ajudou na confecção das roupas da boneca. O primeiro modelo lançado tinha 85 centímetros de altura e era conhecido por seu cheiro de erva-doce.

Para se ter uma ideia, o sucesso da boneca da Xuxa foi tão grande que cerca de 800 mil unidades foram vendidas. Além disso, em 1991, o produto começou a ser comercializado em diversos países da América Latina.

A LENDA URBANA

Como se pode ver, o brinquedo foi uma verdadeira febre entre as crianças, o que, certamente, deve ter causado uma enorme dor de cabeça entre os pais delas — que tiveram que ouvir inúmeros pedidos para que eles comprassem a boneca.

E é justamente em uma dessas histórias que nasceu a lenda urbana que chocou os moradores da cidade de Sorocaba, no interior de São Paulo.

Segundo reza a lenda, no final dos anos 80, uma criança de dois anos começou a pedir incansavelmente para que sua mãe lhe desse uma boneca da Xuxa. Desempregada e sem grana, a mulher teria dito, com irritação, que só conseguiria caso “o diabo mandasse o dinheiro”.

No dia seguinte, segundo a lenda, foi exatamente isso que aconteceu. A mulher teria recebido justamente a quantia exata para comprar o brinquedo da filha. Porém, a tentativa de agradar a garota acabou se tornando uma enorme tragédia.

Nessa parte da história, temos dois desfechos diferentes, mas com narrativas semelhantes. A primeira, e ‘menos’ assustadora, relata que a boneca foi possuída pelo demônio enquanto a menina dormia.

A lenda diz que o brinquedo teria adquirido garras enormes e os seus seios também teriam aumentado. A criatura teria arranhado a menina por inteiro. No dia seguinte, a mulher constatou que as unhas da boneca estavam sujas de sangue e a criança estava em estado de choque com o ocorrido.

A segunda história, essa ainda mais macabra, diz quase a mesma coisa: a boneca incorporou o demônio e atacou a criança enquanto ela dormia. Porém, além dos arranhões, o brinquedo também levou a alma da jovem, que foi encontrada morta.

Por fim, a mãe da criança teria levado a boneca da Xuxa para a Catedral Metropolitana de Nossa Senhora da Ponte, onde o monsenhor Mauro Vallini, então pároco da matriz, teria exorcizado o brinquedo.

A boneca teria, então, sido mantida acorrentada no museu sacro da Catedral. Quando a notícia sobre o caso tomou conta dos jornais, em 9 de novembro, uma multidão se reuniu em frente ao centro religioso para tentar ver a tal boneca. Porém, Vallini fechou as portas do local e dito que tudo não passava de um “boato”.

A LENDA PERMANECE VIVA

Em 2016, 27 anos depois da história ter assombrado moradores de Sorocaba, a Netflix resolveu usar a lenda popular para divulgar sua série que fazia enorme sucesso no momento, Stranger Things.

Em uma das chamadas da produção, intitulada “O maior mistério dos anos 80”, a plataforma de streaming usa a boneca da Xuxa para sussurrar o nome do monstro Demogorgon.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.