BUSCAR
BUSCAR
Hotel Reis Magos
Secretaria da Educação começa a examinar tombamento ou demolição do Reis Magos
Anteontem, Getúlio Marques recebeu um dos três volumes examinados pelo Conselho Estadual de Cultura e, que no começo do mês, por 9 votos a 1, decidiu pelo não tombamento do prédio
Redação
12/07/2019 | 08:12

Menos de 24 horas depois de a procuradora do Estado, Marjorie Madruga, manifestar pelas redes sociais sua disposição de manter intactas as ruínas do Hotel dos Reis Magos, na Praia do Meio, em Natal, a questão já virou dever de casa para o secretário estadual de Cultura, Getúlio Marques.

Às 19 horas da última quarta-feira, 10, ele recebeu um dos três volumes já examinados pelo Conselho Estadual de Cultura e que, no começo do mês, por 9 votos a 1, decidiu pelo não tombamento do prédio, portanto, abrindo caminho para a demolição.

“Eu disse para quem me entregou esse volume que precisava dos outros dois a fim de formar uma convicção sobre o assunto, o que pretendo começar a fazer já neste fim de semana”, afirmou o secretário. Cada volume tem por volta de 400 páginas.

Isso acontece porque, como previu a procuradora Marjorie Madruga em sua postagem sobre o assunto, “a decisão será do Secretário de Educação e Cultura do Estado”.

Ela aproveitou para convocar as pessoas a se juntarem contra a decisão da Justiça e do Conselho em favor do tombamento do prédio.

Marjorie também sustenta que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) reabriu o processo de tombamento que tramita na esfera federal e que, por isso mesmo, não há uma decisão final sobre o assunto.

E, por fim, garante conhecer um laudo técnico que atenta ser o bem (o hotel) recuperável, embora não tenha dito quanto isso poderia custar aos proprietários, a rede de Hotéis Pernambuco.

Preocupação

Depois de conceder entrevista ao programa Tudo Agora, da 97,9 FM, nesta quarta-feira, 10, o presidente do Clube dos Dirigentes Lojistas de Natal, Augusto Vaz, comentou a manifestação da procuradora: “Desse jeito, vamos passar mais três décadas decidindo o que fazer com aquele monte de escombros”, afirmou.

Momentos antes, Vaz havia afirmado estar preocupado com posições oriundas de setores Ministério Público Estadual e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte em relação à atualização do Plano Diretor de Natal. “Tem muita gente nessas instituições querendo amarrar o desenvolvimento da cidade, deixando tudo como está”, arrematou.

Decisões

Em maio do ano passado, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região, no Recife, autorizou o grupo Hotéis Pernambuco S/A a demolir o prédio abandonado há décadas.

Mas a procuradora afirma categoricamente que não são verdadeiras as narrativas sobre a decadência da estrutura.

 “O meu parecer foi pelo tombamento e foi acatado pelo procurador geral. Ou seja, a Procuradoria Geral do Estado pronunciou-se pelo tombamento diante dos inúmeros e jamais contestados pareceres técnicos do Departamento de Arquitetura e de História da UFRN, do grande e excelente estudo técnico feito pelo Iphan”, escreveu Madruga.

Novela

O Hotel dos Reis Magos cessou seu funcionamento em 1995, quando foi arrendado por empresários potiguares, que ficaram um longo tempo sem pagar os aluguéis.

Há cinco anos, o grupo pernambucano dono do imóvel ainda alimentava o projeto de construir no terreno um centro comercial modular, baseado numa praça de convivência. A estrutura seria levantada aos poucos de acordo com a resposta do mercado.

Atualmente, segundo o advogado João Vicente Gouveia, que representa os proprietários, o segmento imobiliário mudou tanto que só depois da demolição do prédio seria possível avaliar o que se poderá empreender no terreno.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.