BUSCAR
BUSCAR
Medida
Prefeito de Parnamirim proíbe fogueiras durante o mês de junho
Segundo o decreto, quem descumprir a regra poderá ser representado junto ao Ministério Público por descumprimento do artigo 268 do Código Penal, que prevê pena de um mês a um ano de detenção, e multa
Redação
05/06/2020 | 05:00

A Prefeitura de Parnamirim, na Grande Natal, publicou nesta quinta-feira (4) um decreto que proíbe o acendimento de fogueiras e a venda e soltura de fogos de artifício durante o período junino de 2020. A medida, assinada pelo prefeito Rosano Taveira e publicada no Diário Oficial do Município, já começou a valer.

De acordo com o decreto, o objetivo das proibições é diminuir os riscos de intoxicação por fumaça e acidentes causados pelo fogo. Com isso, espera-se que diminua a procura pelos serviços de saúde, que estão sobrecarregados por causa da pandemia de Covid-19. Em junho, por causa das fogueiras, normalmente aumenta o número de pacientes queimados que buscam os hospitais.

A norma determina, ainda, que estão suspensos todos os alvarás que tenham sido concedidos antes do decreto para o funcionamento de barracas de venda de fogos. A emissão de novos alvarás também está proibida. A fiscalização do cumprimento do decreto ficará a cargo da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semur), da Guarda Municipal e da Polícia Militar.

Segundo o decreto, quem descumprir a regra poderá ser representado junto ao Ministério Público por descumprimento do artigo 268 do Código Penal, que prevê pena de um mês a um ano de detenção, e multa, para quem desobedecer a ordem do poder público destinada a impedir introdução e propagação de doença infectocontagiosa.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.