BUSCAR
BUSCAR
Combate
Natal conta com mais de 3 mil armadilhas de monitoramento contra dengue
Natal foi a primeira capital a aderir ao programa com as armadilhas disseminadoras para monitoramento e combate do mosquito no Brasil
Redação
19/09/2018 | 16:38

O Centro de Controle de Zoonoses de Natal, por meio do Vigiadengue, completa no final de 2018, um ano de instalação da estação disseminadora de larvicida nos bairros com os maiores índices entomoepidemiológicos das arboviroses, Felipe Camarão, na zona Oeste, e Nossa Senhora da Apresentação, na zona Norte, com aproximadamente 1.400 armadilhas em cada local.

Natal foi a primeira capital a aderir ao programa com as armadilhas disseminadoras para monitoramento e combate do mosquito no Brasil. Organizado em parceria do CCZ com a Fiocruz Rio de Janeiro, a armadilha é composta por um recipiente plástico e um tecido preto, fixado com larvicida. O objetivo da armadilha é contaminar o inseto a fim de que ele mesmo espalhe o veneno em áreas de difícil acesso, como pequenos depósitos em que o agente de saúde não consegue fazer o monitoramento.

Os equipamentos são recolhidos mensalmente para análise do desenvolvimento do ovo após a atuação do larvicida, concluindo que mesmo ocorrendo a evolução para a fase de pupa, o vetor não consegue chegar a fase adulta, onde viria a transmitir o vírus.

Aliada a disseminadora, outro programa do núcleo de monitoramento e mapeamento é a ovitrampa, instalada em Natal desde 2014. Atualmente espalhada em aproximadamente 620 pontos de georeferenciamento e pontos estratégicos, as armadilhas se encontram num radar de 300 metros de distância cada.

A armadilha é composta por um balde preto, semelhante a um vaso de planta de jardim, preenchido com água, para atrair o mosquito e uma paleta de presa por um clip. Com a característica de não depositar os ovos diretamente na água, os mosquitos os depositam na superfície da paleta que é trocada e recolhida semanalmente pelos agentes de combate às endemias.

Após ser encaminhada para o laboratório de entomologia, onde é realizada a contagem de ovos, a análise aponta o índice de infestação daquela área, sendo assim essencial para o direcionamento das equipes, onde o índice de infestação de casos entomológicos e epidemiológicos são estudados juntos para definir as áreas prioritárias e os métodos que serão aplicados nos locais.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.