BUSCAR
BUSCAR
Sem avanço
Mesmo pioneira na instalação do sinal digital, TVU não atinge potência máxima
TV Universitária foi a primeira a ter o sinal digital dentre as emissoras universitárias, em 2015, porém, mesmo após 3 anos, sua potência ainda não atingiu a capacidade máxima
Redação
06/06/2018 | 10:00

O Rio Grande do Norte realizou a transição do sinal analógico para o digital no último dia 30 de maio, desligando a transmissão. Cerca de 26 cidades potiguares, incluindo a capital, tiveram seus sinais desligados para que, assim, a população pudesse ter acesso aos canais abertos com uma melhor qualidade.

A TV Universitária, que faz parte da estrutura da Superintendência de Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, completou, recentemente, 45 anos de existência e é a pioneira dentre as emissoras universitárias a adotar o sinal digital, em 2015, e deveria atender cerca de duas milhões de pessoas com a cobertura do sinal, em 14 municípios, mas a transmissão está longe da ideal. O transmissor apresenta falhas, segundo a própria TVU.

Não é possível manter a qualidade máxima sugerida pelos transmissores digitais. “Na minha casa, o sinal não é bom e tem uma qualidade de imagem e áudio bem ruins. Fico triste, pois gostaria de acompanhar. Tenho amigos que participam da produção de alguns programas e é interessante a proposta de preservar a cultura local e dar oportunidade aos estudantes. Mas sei que como eu, muitos não podem assistir”, afirma o universitário Mateus Alves, de 22 anos.

O superintendente de Comunicação da UFRN, José Zilmar Alves, afirma que o “sinal analógico foi desligado conforme o cronograma estabelecido” e que pelo fato da TV já trabalhar com o transmissor digital há um tempo, manutenções são necessárias e são elas que causam a queda da qualidade da transmissão.

“Como está em operação desde 2015, quer dizer, o transmissor já está em operação há 3 anos, ele passa por várias revisões técnicas em seus componentes. Então, em cada revisão dessa, quando a gente retira os componentes, diminui um pouco a potência. Estamos reinstalando os componentes que passaram por revisão para solucionar o problemas” explica José.

Ainda de acordo com o superintendente, nesta quarta-feira, 6, um técnico irá visitar a TV para realizar novas manutenções que poderão solucionar em breve os problemas de qualidade na transmissão.

Outros problemas também podem ocasionar a baixa qualidade da transmissão digital. Algumas antenas, por exemplo, não captam o sinal e precisam ser instaladas por profissionais externamente, no telhado das residências. Caso a televisão seja antiga, um conversor digital talvez precise ser instalado. É recomendado que o manual do fabricante seja lido para se ter acesso a essa informação.

Além disso, o principal, é possuir o conversor, que é o responsável por transformar os sinais e transmitir de forma digital. Caso seja adquirido um modelo mais barato, o consumidor pode obter problemas, vindo a ter uma queda na qualidade de transmissão.

 

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.