BUSCAR
BUSCAR
Decisão
Justiça mantém condenação de motorista causou morte pedestre na avenida Rio Branco
Condenação em primeira instância, em setembro de 2017, foi de pena privativa de liberdade fixada em 3 anos, 1 mês e 10 dias de detenção, em regime aberto
Redação
14/06/2018 | 10:04

A Câmara Criminal do TJRN manteve a sentença dada pela 10ª Vara Criminal da Comarca de Natal, a qual apreciou os autos de um acidente automobilístico que ocorreu no dia 26 de fevereiro de 2015, que ganhou notoriedade nas redes sociais. O fato ocorreu na avenida Rio Branco, bairro Cidade Alta, quando a professora Norma Suely Chacon, ao dirigir seu veículo, colidiu com um micro-ônibus, causando a morte de José Kennedy Freire de Lima, que caminhava sobre a calçada, além de lesões corporais em outros dois pedestres, conforme Laudo de Exame Necroscópico. A acusação recaiu sobre o delito de homicídio culposo (quando não há a intenção de provocar o crime). A condenação em primeira instância, em setembro de 2017, foi de pena privativa de liberdade fixada em 3 anos, 1 mês e 10 dias de detenção, em regime aberto.

Segundo os autos, a denunciada dirigia seu veículo pela faixa da esquerda da Avenida Rio Branco, sentido Cidade Alta/Ribeira, quando, após trafegar alguns metros em marcha ré, repentinamente, de “forma desatenta” – segundo o Ministério Público e sem aguardar a passagem dos demais veículos que trafegavam na via, realizou manobra de conversão à direita com intuito de entrar em um estacionamento, colidindo com o ônibus que trafegava regularmente pela faixa da direita, no mesmo sentido da via.

Neste momento o transporte coletivo, devido ao forte impacto, subiu a calçada, vindo a atropelar a vítima, que caminhava sobre o passeio público, ocasionando sua morte. Através dos depoimentos das vítimas sobreviventes, testemunhas, imagens de circuito fechado de câmeras e Laudos de Exame em Memória Flash do Tipo Pen-Drive, constatou-se que a denunciada realizou a manobra em desacordo com as normas de tráfego, sendo, portanto, apontada como única responsável pelo sinistro e, consequentemente, morte do pedestre. Argumentação com a qual a defesa não concorda.

“Ocorreu o devido processo legal e, de fato, ocorreu a imprudência da motorista, que gerou a colisão e o acidente fatal”, reforça a relatoria do recurso, a Apelação Criminal nº 2017.018958-0.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.