BUSCAR
BUSCAR
Greve
Em protesto, petroleiros vendem botijão de gás a R$ 40 em Natal
Funcionários da Petrobras estão em greve há 14 dias e reivindicam retomada imediata dos investimentos da estatal no RN
Redação
14/02/2020 | 13:42

Duas horas bastaram para que 300 botijões de gás de um caminhão estacionado defrontem à sede administrativa da Petrobras, na Cidade Esperança, vendidos a R$ 40 cada, desaparecessem, carregados em carros, bicicletas, motos e carrinhos de mão nesta sexta-feira (14).

Foi a singela ação promovida pelo Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Norte (Sindipetro) para protestar contra o que os sindicalistas chamam de “desmonte da Petrobras”, estatal fundada em 1953 no governo Vargas e que depois de protagonizar escândalos de corrupção durante os governos Lula e Dilma vive hoje, sob a era Bolsonaro, um intenso processo de desinvestimentos.

“Nossa intenção é mostrar para as pessoas o que elas poderiam estar pagando pelo gás de cozinha se o preço do petróleo não fosse regulado pelo mercado internacional”, explica José Araújo, da diretoria da Sindipetro RN.

Quando o último botijão já tinha ido embora, numa negociação feita entre os petroleiros da ativa e aposentados, que arcaram com os R$ 13 da diferença em cada unidade, já não havia mais ninguém para ver a manifestação.

Só ficaram pouco mais de 30 pessoas, entre representantes do Sindicato dos Petroleiros, da Central Única dos Trabalhadores ligados à categoria; o presidente da União Metropolitana dos Estudantes, Silas Emanuel, 16 anos e Pedro Gorki, presidente da União Brasileira dos Estudantes, 19 anos.

Com discursos nacionalistas comuns no período pós – Vargas, como o “Petróleo é Nosso”, com direito a ataques à burguesia e citações de Lênin o, pai da Revolução Russa de 1917, a manifestação foi acompanhada pela deputada Natália Bonavides (PT) e a vereadora Divaneide Basílio (PT).

A pauta local dos petroleiros incluiu, entre as reivindicações, a retomada imediata dos investimentos da Petrobras para recuperar a produção e a capacidade de refino de petróleo e gás no Rio Grande do Norte.

O RN, no passado, já foi o segundo maior produtor de petróleo no Brasil com 110 mil barris por dia e hoje produz em torno de 36 mil.

Pedro Gorki, sobrenome inspirado em Máximo Górki, pseudônimo de Aleksei Maksimovich Peshkov, escritor, romancista, dramaturgo, contista e ativista político russo, morto em 1936, fez um discurso sobre a entrega das riquezas brasileiras do petróleo. Seu colega Silas, da União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas, foi na mesma linha.

Indignado com a falta de quórum na manifestação, um petroleiro aposentado, com mais de 40 anos de Petrobras, estranhou a ostensiva ausência de inativos da companhia. “Esses caras não fazem nada, por que não estão aqui? ”, indagou, decepcionado.

Agora, o movimento promete uma demonstração idêntica com a gasolina, segundo José Araújo, da diretoria da Sindipetro RN. A data e o local ainda serão anunciados.

Venda de Gás de Cozinha à 40 reais Petrobras Natal protesto do petroleiros 59
Protesto foi nesta sexta-feira (14). Foto: José Aldenir/Agora RN
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.