BUSCAR
BUSCAR
Aeroporto
Até outro assumir, ninguém sentirá diferença, assegura vice da Inframerica
Saída da Inframerica do Aeroporto Internacional Aluízio Alves só acontecerá de fato depois que outra empresa ou consórcio assumir o empreendimento por meio de uma nova licitação
Redação
09/03/2020 | 05:00

Embora a decisão seja irreversível, a saída da Inframerica do Aeroporto Internacional Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, só acontecerá de fato depois que outra empresa ou consórcio assumir o empreendimento por meio de uma nova licitação, disse na última sexta-feira (6) o vice-presidente da companhia argentina, Juan Horácio Djedjeian.

Em entrevista ao Agora RN, o executivo assegurou que, leve o tempo que for, até essa transferência se concretizar, “ninguém sentirá qualquer diferença no padrão de funcionamento do terminal, e os efeitos dessa mudança serão zero”.

A relicitação do aeroporto de Natal precisará antes passar pelo Ministério da Infraestrutura, mas já conta com o apoio da Secretaria de Aviação Civil (SAC) e do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

Juan Horácio Djedjeian revelou que o aeroporto, inaugurado em 2014, vem acumulando prejuízos desde 2015, com queda permanente na expectativa de passageiros, mas que o fator decisivo para a companhia querer sair da operação são aspectos contratuais desvantajosos, que já não fazem mais parte da modelagem dos novos contratos de licitação. “Como fomos o primeiro no Brasil, pagamos caro por isso”, afirmou. Já os aeroportos concedidos a partir da quarta rodada passaram a adotar um novo modelo de concessão, o que os tornou mais atraentes para a iniciativa privada.

Entre os problemas estão o modelo de pagamento de outorga anual, que tem valor fixo, independentemente do volume de passageiros. Esse compromisso está em dia e custou à companhia argentina, no ano passado, R$ 15 milhões.

Outro entrave está ligado aos altos custos de operação da torre de controle, que em outros terminais é responsabilidade da Aeronáutica, mas que em São Gonçalo do Amarante são totalmente bancados pela Inframerica. A companhia também gerencia o aeroporto interncional de Brasília.

Do contrato de concessão de 28 anos, a Inframerica cumpriu até o momento sete a se completar este ano. Agora, caberá o cálculo da indenização à agência reguladora.

“O patrimônio, que inclui prédio, pertence à União, mas os R$ 700 milhões que já investimos foram aportados no terminal, pátio de manobra, instalações do bombeiro, torre de controle, terminal e carga, terminal de passageiros, estacionamento de veículos, acessos viários e área de guarda de equipamentos de aeronaves”, diz o superintendente do terminal, Ibernon Martins.

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.