BUSCAR
BUSCAR
Análise
Agregar serviços ao trabalho é o futuro do farmacêutico, diz presidente do CRF-RN
Sales Guedes, presidente do Conselho Regional de Farmácia do RN, disse que, para 2019, vai intensificar o programa de educação continuada para as novas demandas de mercado
Redação
22/11/2018 | 16:25

Um ano difícil para os profissionais do setor de farmácia dos setores público e privado. Esta é a avaliação do presidente do Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Norte (CRF-RN), Sales Guedes, que aponta para o setor público a situação mais complicada, principalmente pela falta de medicamentos de uso contínuo. “Muitos municípios estão em situação difícil”, destaca Guedes.

Para ele, o pior cenário está relacionado à Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat). De acordo com Guedes, os problemas com segurança afetaram a fiscalização e distribuição de remédios este ano. Para 2019, a preocupação de Guedes está voltada para as aposentadorias, que será o destino de muitos profissionais que atuam na esfera pública.

Outro problema enfrentado pelos farmacêuticos este ano foi a das negociações salariais, que ainda estão emperradas na Justiça, ou seja, estão havendo dificuldades para o fechamento dos acordos coletivos. As empresas, segundo Sales Guedes, querem aumentar a jornada de trabalho e pagar apenas a reposição das perdas com a inflação. Pelo menos três mil farmacêuticos estão cadastrados do CRF-RN – a maior parte com idade entre 18 e 30 anos.

Por ano, 300 profissionais entram no mercado, sendo absorvidos pelas farmácias, drogarias, farmácias de manipulação, laboratório de análises clínicas, distribuidoras de medicamentos, hospitais, transportadores de medicamentos. “O setor tem uma boa empregabilidade. A dificuldade é o crescimento do salário. Mesmo assim, somos a terceira maior profissão com carteira assinada no país. No Estado temos 2.050 profissionais e 1.507 trabalhadores nas farmácias, além de 2.300 empresas inscritas”, detalhou Guedes.

Para o próximo ano, Sales Guedes aposta em boas perspectivas, principalmente por conta da sinalização do crescimento da economia, o que significa ampliação do mercado de trabalho e melhores salários. A categoria tem dois pisos: R$ 2.721,81 para 8 horas e R$ 2.099,19 para seis horas. Segundo Sales, para 2019 a expectativa é de resolver gargalos com o Sistema Único de Saúde (SUS), além de um esforço para que a maior dos cidadãos consiga resolver problemas dentro da farmácia, o que inclui ações como rastreamento de diabéticos e agregar outros serviços, como, por exemplo, o de auferir a pressão, colesterol e glicose.

De acordo com Sales, essas ações já acontecem em outros países e o profissional precisa fazer a diferença oferecendo mais serviços – independentemente de ser ou não nas grandes redes. A cada ano, o CRF-RN amplia o programa de educação continuada para novas demandas do mercado de trabalho, com cursos de capacitação, mantendo o profissional atualizado. “É um papel do CRF e queremos intensificar essas atividades a cada ano”, acrescenta Guedes.

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.