BUSCAR
BUSCAR
Diferença
PIB per capita do Brasil subiria 30% sem corrupção, diz estudo do FMI
Pesquisadores do FMI estimaram como seria se o Brasil tivesse condições mais próximas às do Chile, Costa Rica e Uruguai, considerados os países menos corruptos da América Latina
Natália Portinari - Folha de S. Paulo
14/10/2017 | 09:36

Segundo um estudo de pesquisadores do FMI (Fundo Monetário Internacional), o Brasil seria até 30% mais rico se suas instituições fossem menos corruptas.

O estudo, elaborado pelo economista Carlos Eduardo Gonçalves e outros, ainda não publicado, afirma que o PIB per capita do país (produto interno bruto dividido pela população) cresceria US$ 3 mil (R$ 9,6 mil) nessas circunstâncias.

Em 2016, o PIB per capita do país foi R$ 30.407, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Os pesquisadores do FMI estimaram como seria se o Brasil tivesse condições mais próximas às do Chile, Costa Rica e Uruguai, considerados os países menos corruptos da América Latina.

Em 2014, o Fórum Econômico Mundial estimou que o custo da corrupção é de 5% do PIB mundial, ou US$ 2,6 trilhões.

“Existe um problema de ovo e galinha quando se estuda corrupção e renda”, afirma Carlos Eduardo Gonçalves. “Os países que são mais ricos têm mais recursos para combater a corrupção, então é difícil isolar causa e efeito.”

Para ajudar a entender a relação entre os dois, o estudo incluiu a medida da “heterogeneidade étnico-religiosa” de cada país, partindo da premissa de que, quanto maior a diversidade da população, maior a corrupção.

“Se um país é muito heterogêneo em várias dimensões, ele geralmente apresenta uma taxa mais alta de corrupção. Quando todo mundo é parecido entre si, é menos provável que um grupo tente roubar para favorecer os seus”, afirma Gonçalves.

“Essa é uma variável bastante associada à corrupção”, afirma Marcus Melo, cientista político. “Usando esse método, o estudo torna a estimativa mais precisa e menos sujeita a erros que resultam da heterogeneidade.”

Outros estudos acadêmicos já concluiram que a corrupção aumenta quanto maior for a diversidade étnica, e alguns pesquisadores preferem entender essa medida como um indicador dos conflitos étnicos e raciais de um país.

QUESTÃO ESTATÍSTICA

A heterogeneidade da população foi usada como variável instrumental, que, na estatística, é algo que permite medir os efeitos de A (corrupção) sobre B (riqueza), quando B também influencia A.

Para ser considerada uma variável instrumental adequada, parte-se da premissa de que a heterogeneidade (C) tem relação com A (corrupção), mas não afeta diretamente B (riqueza).

Por exemplo, para calcular os efeitos do consumo de alimentos dietéticos (A) sobre o peso (B), há um problema: pessoas que consomem tais alimentos o fazem justamente porque estão acima do peso.

Para contornar, o preço de alimentos dietéticos (C) pode ser uma variável instrumental, já que a única maneira de esses preços afetarem o peso das pessoas é pelo consumo de alimentos dietéticos.

Ou seja, o efeito que C tem sobre B deve ocorrer exclusivamente via A.

Segundo os pesquisadores do FMI, a “heterogeneidade étnico-religiosa” de cada país é uma medida correlacionada com a corrupção, mas que não afeta diretamente o PIB, o que, segundo eles, faz com que seja uma variável instrumental ideal.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.