BUSCAR
BUSCAR
Cuidado
Uso de formol para alisar cabelo é crime e causa graves riscos à saúde
Após fazer uma escova progressiva, uma paranaense sofreu parada cardiorrespiratória neste mês de agosto. A mulher ficou internada por três dias na UTI
Redação
31/08/2020 | 19:19

O movimento de aceitação e valorização dos cabelos naturais tomou corpo nos últimos anos. Celebridades como Taís Araújo, Juliana Paes e Maisa Silva vem embarcando na proposta de manter cachos e fios crespos longe da química. Porém, o uso de químicos para deixar os cabelos lisos continua sendo utilizado em alguns locais e causando danos por vezes irreversíveis.  

O formol, quando utilizado nos alisamentos capilares, pode entrar na corrente sanguínea, afetar o coração, fígado, olhos e sistema circulatório, podendo causar cegueira e até morte súbita. Embora o uso da substância tenha restrições pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) devido aos riscos causados à saúde, o composto ainda é utilizado em procedimentos para alisar o cabelo. Na última semana, uma paranaense sofreu parada cardiorrespiratória após fazer uma escova progressiva. A mulher ficou internada por três dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). 

Os procedimentos à base de formol com proposta de alisamento capilar mais utilizados são as escovas progressiva ou definitiva, a inteligente, de chocolate e o botox capilar. Adicionar o formol a esses produtos é infração sanitária (adulteração ou falsificação) e crime hediondo, de acordo com o art. 273 do Código Penal. No entanto, nos cosméticos, incluindo os destinados a alisar o cabelo, a Anvisa permite apenas a concentração de até 0,2%, percentual. Mas, segundo o dermatologista Dimitri Luz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD),  atualmente, não existe uma maneira segura ou legal de alisar os fios capilares com procedimentos à base de formol.

 “Isso porque uma  concentração de  0,2% de formol pode ser encontrada e permitida pela Anvisa nos produtos cosméticos e capilares, maior do que isso não é liberado. E essa qualidade não é suficiente para realizar um alisamento”, reafirma o médico. A Anvisa ainda permite o uso de concentração de 5% da substância em produtos endurecedores de unhas.   

Complicações

As principais complicações à saúde do corpo, relacionadas à aplicação de alisante capilar com formol, ocorrem com a inalação ou quando a substância absorvida pelo couro cabeludo entra na corrente sanguínea e ataca órgãos, a exemplo do coração, provocando cardiotoxicidade, aumento do coração, redução da frequência cardíaca e até morte súbita. 

Para além dos danos ao coração, o percurso feito pelo formol nas vias sanguíneas é uma ameaça à saúde do fígado, dos olhos e da circulação. A alta toxicidade do produto pode desencandear hepatite, intoxicação, aumento do órgão e, com a frequente reaplicação do alisamento, é possível que se desenvolvam células cancerígenas no aparelho respiratório e até mesmo a leucemia.

Nos olhos, o dermatologista destaca irritação, coceira, vermelhidão, dor, lacrimejamento, embasamento da vista e o alto grau de toxicidade, o que pode causar cegueira irreversível.

“Na circulação, os sintomas são mais sistêmicos e  imediatos, sendo eles, mal-estar generalizado, incluindo quadro gripal, tosse, espirro, febre e náuseas”, complementa Dimitri Luz.”A absorção da toxicidade do formol pelo corpo é facilitada pela vascularização própria do couro cabeludo. Quando a substância alcança a corrente sanguínea, os prejuízos à saúde, em alguns casos, se tornam irreversíveis”, pontua o médico.

Contato com a pele

No contato direto com a pele, seja ela do couro cabeludo ou de qualquer parte do corpo, o composto pode provocar dois tipos de dermatites: irritativa e alérgica. A irritativa, uma queimadura local, pode acontecer logo na primeira aplicação, provocando quebra e queda do cabelo. Já a alérgica, ocorre por sensibilidade ao reagente. Portanto, é possível que o ato de reaplicar o procedimento gere o desenvolvimento de uma alergia.

Os danos à saúde do corpo ocasionados pelo uso de alisantes com formol são graves, porém, o dermatologista lembra, a resposta à toxicidade do produto acontece de maneira diferenciada.  “Cada individuo é único. Pode ser que uma determinada pessoa faça uma intoxicação logo de cara, por ela ter o organismo mais predisposto à reação. Como é possível  que na primeira aplicação a pessoa passe ilesa e, somente a partir da exposição frequente a esse tipo de reagente, ela passe  a apresentar intoxicação com resultados graves”, ressalta.

Segura e legal

Outro alerta do dermatologista Dimitri Luz está relacionado à composição dos produtos. A  Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda que, antes de adquirir ou autorizar a utilização do produto, verifique-se as informações sobre o conteúdo da fórmula expostas na embalagem. Caso tenha a indicação de formol, o ideal é verificar se o produto tem o selo de aprovação que pode ser consultado no site da Anvisa.

De acordo com a Resolução RDC nº 36, da Anvisa, é proibida a venda do formol em drogarias, farmácias, supermercados e lojas de conveniência. A medida, estabelecida em junho de 2009 tem o objetivo de restringir o uso da substância como alisante capilar. Para conferir os alisantes capilares liberados pela Anvisa, acesse o guia do formol no site www.sbd.org.br.

*Com informações do Diário do Nordeste

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.