BUSCAR
BUSCAR
Alimentação
Trocar arroz por macarrão? Entenda a relação nutricional entre os dois
Nutricionista destaca que a combinação nutritiva entre arroz e feijão não ocorre entre massas e a leguminosa mais presente no prato dos brasileiros
Redação
10/09/2020 | 17:34

Com um recente alta no preço do arroz, muitos consumidores podem se ver obrigados um trocar esse alimento por opções mais baratas.

Na quarta-feira 9, essa ideia foi sugerida pelo presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto. Ele disse que a entidade deve promover uma campanha para que o brasileiro substitua o arroz por macarrão em seus pratos.

Mas será que o consumo desse ou de outros substitutos para o arroz é uma boa ideia do ponto de vista nutricional?

À CNN , a nutricionista Renata Saffioti afirma que o macarrão é, sim, um dos alimentos equivalentes ao arroz pela classificação do Guia Alimentar para a População Brasileira , do Ministério da Saúde.

“A caraterística principal entre eles, o nutriente principal, é o carboidrato. Tanto do arroz, quanto do trigo (macarrão), da batata, da mandioca, entre outros ”, disse. Ou seja, ao analisar apenas o tipo de alimento, uma troca faz sentido.

No entanto, Saffioti destaca que a combinação nutritiva entre arroz e feijão não ocorre entre massas e a leguminosa mais presente no prato dos brasileiros.

“O arroz com feijão é uma combinação perfeita entre aminoácidos, que é um nutriente, e partes de proteínas. Arroz e feijão se complementam. Macarrão com feijão não faz essa mesma combinação, nem nutricionalmente nem de sabor ”, disse.

Outro ponto que tanto Saffioti quanto a outros profissionais ressaltam é que, ao pensar em comer macarrão no lugar do arroz, não devem ser considerados como opção os macarrões instantâneos.

“Não vale mesmo. Essa troca não faz sentido porque o macarrão instantâneo é frito, completamente diferente do macarrão convencional. E vai trazer mais malefícios do que benefícios, tanto na saúde quanto no bolso ”, diz Matheus Motta, nutricionista do WW Vigilantes do Peso.

Atenção aos acompanhamentos

Saffioti alerta também sobre a forma como o macarrão – ou outro substituto do arroz – seria incorporado à alimentação do brasileiro.

“Sem arroz, muito facilmente se tira o grupo alimentar dos feijões, os leguminosos, o que resulta em uma alimentação mais deficiente.”

Uma opção, nesse caso, seria incorporar alimentos como ervilha, lentilha, grão de bico e soja, entre outros, à refeição.

“O importante é trocar o feijão por outra leguminosa. Tem uma receita vegetariana muito comum [neste sentido] que é uma bolonhesa de lentilhas ”, diz Motta, ressaltando que outros tipos de feijão, como o fradinho – que não tem caldo – podem combinar mais [com macarrão] porque podem ser consumidos como salada .

“Também tem macarrões feitos de outros tipos de farinha, além de trigo, como farinha de feijão ou de grão de bico. Talvez [seja uma boa ideia] fazer uma alternância entre esses tipos. ”

Ele diz ainda que variação nos hábitos alimentares, ainda que forçada pela questão financeira, pode gerar resultados positivos.

“É interessante introduzir novos alimentos, não ficar só no arroz e feijão, como lentilha, grão de bico, milho, e ervilha que estão disponíveis e não estão tão caros para ter uma alimentação saudável.”

Arroz incrementado

Os nutricionistas também recomendaram, às pessoas que não pretendem substituir o arroz, o uso de outros alimentos, no momento do preparo, para incrementar a refeição.

Para fazer o arroz “render”, uma ideia simples e não tão cara é cozinhá-lo junto com legumes ou grãos – como cenoura, milho, ervilha, brócolis, chuchu ou abobrinha.

Dessa forma, o preparo vai ficar ainda mais nutritivo e ganhar, também, em volume.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.