BUSCAR
BUSCAR
Revelação
Primeiras provas aparecem, são analisadas e revelam que o governo Bolsonaro usou pesquisa na internet para recusar compra da vacina da Pfizer
Os documentos estão em análise pela CPI da Covid
Blog do Lauro Jardim, do O Globo
24/06/2021 | 12:49

Baseado em uma pesquisa de internet, o Ministério da Saúde elaborou um documento de oito páginas pelo qual negou, em 14 de julho de 2020, a compra de vacinas da Pfizer/BioNtech. As informações são do blog de Lauro Jardim, do jornal O Globo. O argumento era de que o imunizante não reunia provas suficientes de confiabilidade em “eficácia e segurança”.

Segundo ele, oito dias depois de o governo brasileiro rejeitar a proposta alegando duvidar dos resultados da vacina, os EUA compraram 100 milhões de doses ao custo de U$ 1,95 bilhão.

Os documentos estão em análise pela CPI da Covid.

A Nota Técnica nº 33/2020, elaborada pela Coordenação de Monitoramento e Avaliação de Tecnologias em Saúde, foi feita para responder a uma proposta enviada ao ministério dois meses antes, em 4 de maio, pela Pfizer.

A nota atesta que seu objetivo era “apresentar uma revisão rápida da literatura” sobre a vacina. Para isso, os responsáveis por ela fizeram uma busca, em 2 de julho, em cinco bases de dados existentes na internet sobre a vacina.

Ao fim do relatório sobre o que haviam encontrado nas postagens pelas quais navegaram, concluíram, em um parágrafo, que era melhor “aguardar até que resultados de segurança dos estudos em andamento e o prosseguimento para estudos maiores de eficácia com maior número de pacientes sejam publicados para que se possa demonstrar com maior robustez e confiabilidade os resultados de eficácia e segurança da vacina em questão”.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.