BUSCAR
BUSCAR
Entrevista
Natália Noronha fala sobre recomeço após saída da Plutão Já Foi Planeta
Após trajetória de sucesso com a banda Plutão Já Foi Planeta, vocalista Natália Noronha agora segue novos rumos em carreira solo
Nathallya Macedo
04/01/2021 | 07:11

Os dias acabam para iniciar de novo e é esse ciclo constante de recomeços que mantém a esperança viva durante a rotina. É justamente por causa do cotidiano confortável que identificar o momento certo para uma mudança é difícil, mas também é significativo. No universo da música, reinventar-se é (quase sempre) necessário. Embora não seja regra, integra a trajetória de muitos artistas que desejam buscar outros ares.

É isso que acontece agora com Natália Noronha. Ela foi a vocalista da banda potiguar Plutão Já Foi Planeta por 7 anos e, recentemente, anunciou a saída do grupo. A banda, que nasceu em 2013 e chamou a atenção dos entusiastas da música local, participou em 2016 do programa SuperStar, da TV Globo, e acabou conquistando o Brasil inteiro.

Com melodias leves e letras autorais, o grupo conseguiu manter um percurso sólido, marcado pelo sucesso. Em entrevista ao Agora RN, Natália contou que pretende seguir carreira solo e explicou que planeja atuar também na produção musical. Confira:

AGORA RN – Como foi o início do seu interesse por música?
Natália Noronha –
Comecei bem cedo, na minha própria casa. Meu pai também é músico e foi ele quem me presenteou com um violão, aos 8 anos. Nós frequentávamos a igreja evangélica e não demorou muito para eu me tornar ativa em várias atividades musicais na congregação. Na infância e na adolescência, cantei em coral, toquei na orquestra… e aí a música foi se tornando protagonista de muitos momentos da minha vida. Essas duas escolas, a minha casa e a igreja, foram lastros essenciais para eu começar a trabalhar com música profissionalmente, anos depois.

AGORA RN – Como foi o processo de criação da banda Plutão Já Foi Planeta? Logo no início vocês decidiram que iam fazer música autoral?
Natália Noronha –
Sim, o intuito, desde o primeiro contato dos meninos comigo, foi fazer um som autoral. Sapulha, Gustavo e eu já tocávamos na noite versões de músicas de outras pessoas, então aquele momento era de mostrar as nossas criações. O mercado local estava fértil para tal aposta; as bandas autorais, como Talma & Gadelha, Far From Alaska e Camarones tinham shows lotados e CDs vendidos. Isso foi um grande fator motivador para nós.

AGORA RN – Em 2013, vocês tocavam bastante em eventos locais. Qual é a importância desses eventos para os artistas e para a produção cultural na cidade?
Natália Noronha –
O artista precisa tocar, precisa ser visto. Eventos como o DoSol e a Ecopraça dão esse espaço para que os artistas construam seu público. Antes de exportar o seu som, os artistas o fortalecem aqui dentro. E claro, há os efeitos disso tudo na cultura local. Essas iniciativas têm um papel educador no público: mostram que as pessoas, se quiserem, não precisam ir longe para consumirem arte de qualidade.

AGORA RN – Já em 2016, a banda ganhou muito destaque ao participar do SuperStar. Sua vida mudou, não é?
Natália Noronha –
Mudou da água pro vinho, permita-me o clichê. De repente, shows lotadíssimos e compromissos a toda hora. Tivemos um holofote do tamanho do Brasil virado para nós, e acho que aproveitamos bem o timing. Logo após o programa, lançamos um disco, por exemplo… e assim fomos surfando a onda, dando muito conteúdo para um público que acabara de chegar. Foi muito proveitoso!

AGORA RN – Como artista, como você encarou esse período de quarentena?
Natália Noronha –
Tive várias fases na quarentena, e acho que pode ter algum artista me lendo aí que vai se identificar. Rolou uma fase improdutiva, pelo choque e inércia que a pandemia primeiramente causou, e depois uma fase de onde germinaram algumas ideias. Rolaram algumas letras e melodias. Não sou do time que acredita que o ócio é necessariamente uma oportunidade para ser produtivo, principalmente em uma pandemia, porque ninguém é obrigado a nada. Por isso, me sinto no lucro de ter criado algo nesses tempos desfavoráveis.

AGORA RN – Como você vê o cenário artístico potiguar atualmente?
Natália Noronha –
Eu acho o RN artisticamente incrível. Falando precisamente da música, temos artistas diversos e singulares. Para vários gostos, mostrando que somos multitemáticos. Pena que o poder público, principalmente o municipal, não se importa em cuidar dos espaços culturais da cidade. Mesmo antes da pandemia, víamos a Ribeira esquecida. Sem segurança, luz ou tratamento de esgoto. Cuidar dos artistas é cuidar dos espaços onde eles se manifestam. Exatamente por isso, existe uma resiliência em quem faz cultura aqui. E sim, estamos criando uma identidade. Estamos levando nosso jeito de falar, sotaque, gírias. A gente é mais do que um sotaque “engraçadinho” e um lugar paradisíaco: a gente contribui fortemente para a música nacional. “Teje” dito.

AGORA RN – Plutão Já Foi Planeta é uma das grandes representantes do estado, com um repertório incrível e autoral. E você fez parte dessa história. Você pode comentar sobre a decisão de deixar a banda nesse momento?
Natália Noronha –
Como eu falei no vídeo que lançamos no Instagram da banda e no post que eu fiz, tudo isso é sobre ciclos. Em todos os departamentos da nossa vida, vivemos fases; em um determinado momento, nos deparamos com a necessidade de viver outras coisas, e é isso. Fui muito feliz no Plutão, mas agora me sinto pronta para adentrar outra jornada e viver outras felicidades. A vida tem dessas!

AGORA RN – Quais são seus planos para o futuro?
Natália Noronha
– O plano é seguir carreira solo, com base em São Paulo, que é onde eu moro atualmente. Me encontro compondo. No Plutão, mostrei o lado cantora, compositora e instrumentista. No próximo projeto, quero mostrar que também sou produtora musical. Produção foi algo que eu sempre fiz, mas eu demorei a me enxergar dessa forma… e um dos motivos é que o meio da produção musical é mais habitado por homens, e as mulheres não são muito encorajadas a serem produtoras. Enfim, isso é papo para outra conversa… o que posso garantir é que o próximo trabalho será produzido por mim mesma, talvez com alguma colaboração. Terá forte influência da música pop, sem dúvida!

AGORA RN – Por fim, qual é a mensagem que você deixa para os seus fãs?
Natália Noronha –
Sei que vou me repetir, mas quero agradecer, novamente, pelo carinho que estou recebendo após o anúncio da minha saída do Plutão. Fiz muitas conexões com muitas pessoas durante esses 7 anos. Espero que a gente continue se conectando por aí, independente do caminho a ser trilhado!

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.