BUSCAR
BUSCAR
Pandemia
Japão tem recorde de casos diários de covid-19 e teme pico
Em comparação com outros países, o Japão tem feito um bom combate ao vírus, tendo pouco menos de 2 mil mortes em uma nação de 126 milhões de pessoas desde o início da pandemia
Estadão
19/11/2020 | 11:43

O Japão registrou um número recorde de infecções diárias por coronavírus nesta quinta-feira, 19, em meio a um aumento preocupante em um país populoso que conseguiu escapar do pior a pandemia e espera sediar as Olimpíadas em 2021.

Em comparação com outros países, o Japão tem feito um bom combate ao vírus, tendo pouco menos de 2 mil mortes em uma nação de 126 milhões de pessoas desde o início da pandemia.

Mas Tóquio viu um número recorde de casos em um único dia duas vezes nesta semana. O Ministério da Saúde disse que o número nacional atingiu um recorde com 2.179 novos casos na quinta – a primeira vez que o Japão teve mais de 2 mil casos diários desde o início da pandemia. A alta anterior ocorreu no sábado passado.

Apesar do aumento, o primeiro-ministro Yoshihide Suga não determinou a volta de restrições a viagens ou negócios. Mas os especialistas de coronavírus de Tóquio pediram que as autoridades garantissem mais leitos para os pacientes e quartos de hotel para aqueles com sintomas menos graves antes que as infecções aumentem ainda mais. “Devemos parar com a escalada de infecções, não importa o que aconteça”, disse o governador de Tóquio, Yuriko Koike.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, esteve no Japão no início da semana para discutir os Jogos Olímpicos e disse que os participantes seriam incentivados a se vacinar – assumindo que haja uma vacina a tempo – para proteger o público japonês.

O plano baseia-se na ideia de que, com o baixo número de infecções por vírus no Japão, o principal risco esteja em pessoas que chegam do exterior. Se houver aumento de casos no país anfitrião, entretanto, não ficou claro como isso seria tratado. Qualquer plano terá de ser firmado a partir do próximo mês.

Especialistas dizem que o amplo uso de máscaras faciais no Japão e tradições culturais que não incluem apertos de mão ou beijos podem ter ajudado a manter o número de casos baixo.

Depois que o país emitiu pedidos de permanência em casa e fechamento de negócios no início da pandemia, o número de casos se estabilizou, mesmo com muitas pessoas ainda viajando diariamente, fazendo piqueniques em parques e jantando em restaurantes que permaneciam abertos. Durante um aumento repentino no verão, o Japão viu um número maior de infecções diárias, mas os casos graves e as mortes permaneceram baixos.

Mas o aumento nacional de casos agora, especialmente na populosa região da capital Tóquio e Hokkaido, no norte, são alarmantes para as autoridades pouco antes da temporada de férias de inverno – cheia de viagens e festas.

Koike, o governador de Tóquio, pediu aos moradores que aumentem sua vigilância, pedindo-lhes que não se reúnam em grandes grupos ao jantar, para evitar dividir copos e sair rapidamente depois de comer. Também disse que medidas mais rígidas não são necessárias neste momento porque o número de pacientes gravemente enfermos ainda está em níveis controláveis.

“Sua cooperação determina nosso destino. A chave é não ter casos graves e essa é a linha vermelha”, disse. Enquanto isso, o primeiro-ministro Suga instruiu os ministros a fazerem o possível para conter as infecções, mas disse que os incentivos ao turismo e à alimentação de seu governo continuarão, incluindo a campanha “Go To Eat”, que subsidia jantares fora.

Os grupos que jantam fora devem ser limitados a quatro pessoas, recomendou Suga. Como em outros lugares, as infecções aumentaram gradualmente no Japão à medida que o governo tenta equilibrar a limitação da propagação da doença e, ao mesmo tempo, evitar muitos danos à economia com restrições à atividade empresarial.

Um dos principais especialistas do painel do governo sobre coronavírus, Shigeru Omi alertou em uma sessão parlamentar na quarta que grupos de infecções estão ocorrendo em uma variedade de situações, tornando as medidas preventivas mais desafiadoras e exigindo a redução da atividade econômica e social. “É hora de apertar o cinto novamente”, disse.

O presidente da Associação Médica Japonesa, Toshio Nakagawa, pediu aos moradores de Tóquio que ficassem em casa no fim de semana. O Ministro da Revitalização da Economia, Yasutoshi Nishimura, disse que grupos da indústria de serviços estão revisando suas diretrizes de segurança para intensificar as medidas preventivas em restaurantes e bares onde os riscos são considerados altos.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.