BUSCAR
BUSCAR
Mudança
Jair Bolsonaro afirma que Onyx vai para a Secretaria-Geral
“Onyx vai para a Secretaria-Geral da Presidência”, declarou Bolsonaro em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da Band. A mudança marcará o retorno de Onyx ao Palácio do Planalto
Estadão
09/02/2021 | 08:14

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 8, que o atual ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, vai assumir o cargo de ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República. A mudança já era esperada e dada como certa por auxiliares do governo. Apesar da troca, o chefe do Executivo disse que “não existem” planos de realizar uma reforma ministerial para acomodar aliados.

“Onyx vai para a Secretaria-Geral da Presidência”, declarou Bolsonaro em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da Band. A mudança marcará o retorno de Onyx ao Palácio do Planalto – ele já ocupou a cadeira de ministro-chefe da Casa Civil. “Não existe isso (reforma ministerial)”, disse o presidente. Bolsonaro também rebateu críticas sobre ter negociado apoio de partidos do Centrão em troca de cargos no governo. “Não é hora de trocarmos ninguém aqui para atender interesses políticos.”

O presidente negou ainda ter liberado emendas parlamentares em busca de apoio de parlamentares. O chefe do Executivo lembrou que as emendas são “impositivas”. Apesar disso, é o governo federal quem decide quando liberar os recursos. Como mostrou o Estadão/Broadcast, em janeiro, mês anterior às eleições para as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado, houve liberação recorde de emendas parlamentares.

Além disso, o Estadão revelou que R$ 3 bilhões em recursos extraorçamentários foram liberados para deputados e senadores, negociados diretamente pela Secretaria de Governo, comandada pelo ministro Luiz Eduardo Ramos. A destinação dos recursos foi uma das formas de o Planalto garantir apoio às candidaturas de Arthur Lira (PP-AL), eleito presidente da Câmara, e de Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente escolhido no Senado.

Presidente nega demissão de Ernesto Araújo

Ainda na entrevista, Bolsonaro negou que esteja planejando substituir o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e disse que o chanceler tem “um bom relacionamento na área diplomática”. “Ele continua”, afirmou.

No fim de janeiro, o vice-presidente Hamilton Mourão declarou que Araújo poderia ser demitido após a eleição no Congresso. “Num futuro próximo, poderá ocorrer uma reorganização do governo para que seja acomodada a nova composição política que emergir desse processo. Talvez, nisso aí, alguns ministros sejam trocados, entre eles o MRE (ministro das Relações Exteriores)”, afirmou.

Questionado sobre a relação com Mourão, Bolsonaro disse ontem que “está tudo bem”.

Bolsonaro afirmou ainda que pretende manter “bom relacionamento” com o presidente Joe Biden. “Mandei uma carta para Joe Biden. Quando não tinha mais como recorrer, reconheci (a vitória do democrata).”

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.