BUSCAR
BUSCAR
Consumidor
Gasolina deve subir mais em fevereiro após descongelamento do ICMS dos combustíveis
Após primeiro aumento de 2022 anunciado pela Petrobras, inflação dos combustíveis deve ganhar outro impulso com o fim da estabilização do imposto
Diário do Nordeste
18/01/2022 | 12:45

Com o descongelamento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) sobre os combustíveis, previsto para se encerrar no dia 31 de janeiro, a inflação da gasolina deve voltar a ganhar força.

Bruno Iughetti, consultor na área de petróleo e gás, projeta que o aumento será da ordem de 3 centavos por litro, com os primeiros reflexos previstos para o início de fevereiro.

Na semana passada, o Comsefaz (Comitê Nacional de Secretários da Fazenda dos Estados) formou maioria para aprovar o fim da fixação do imposto incidente sobre os combustíveis. A votação ainda precisa ser formalmente concluída e ratificada pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), mas a intenção dos estados já está clara.

“Aumento e mais aumento”

Em nota publicada na sexta (14), o governador do Piauí, Wellington Dias, que também é coordenador do Fórum de Governadores, afirmou que o período de congelamento não resolveu o problema da disparada dos preços.

“Fizemos nossa parte: congelamento do preço de referência para ICMS, não valorizaram este gesto concreto, não respeitaram o povo. A resposta foi aumento, aumento e mais aumento nos preços dos combustíveis. Assim, a maioria dos estados votou para manter a regra do ICMS até 31/01/22, considerando fechamento do governo para o diálogo e sucessivos aumentos do combustível sem preocupação do impacto econômico e social no aumento dos preços”, disse.

A medida foi tomada em outubro, em uma tentativa de ajudar o conter a alta da gasolina, que passou de 50% no acumulado de 2021.

Com 15 majorações efetuadas pela Petrobras, o litro continuou subindo mesmo com o ICMS incidindo sobre um preço de referência mais baixo que o real.

No caso do Ceará, o preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) estipulado pelo Confaz foi de R$ 6,15. Ou seja, de 1º de novembro a 31 de janeiro, mesmo que a gasolina tenha passado de R$ 7 o litro, o ICMS é cobrado sobre R$ 6,15.

Sem efeito nas bombas

“Quando do congelamento do ICMS, em outubro de 2021, imaginava-se que haveria uma redução do valor dos combustíveis, mas o consumidor não sentiu esse efeito nas bombas”, afirma Bruno Iughetti.

Tema indigesto para o Governo Federal, a acentuada alta da gasolina virou motivo de guerra narrativa incitada pelo presidente Jair Bolsonaro, segundo quem a culpa dos aumentos seria exclusiva dos governadores, por conta do ICMS.

Embora o imposto estadual tenha um peso inegavelmente relevante na composição (em torno de 29%) do valor final dos combustíveis, a tese aventada pelo presidente não se sustenta.

Com a Petrobras lançando diversos reajustes dentro de sua política de preços de paridade internacional, a medida de estabilização do imposto mostrou-se ineficaz para reprimir substancialmente a inflação. O encarecimento do barril de petróleo no mercado estrangeiro e a desvalorização do real ante o dólar ajudaram na composição dessa tempestade perfeita.

Nas últimas semanas, a gasolina vinha arrefecendo, mas o primeiro aumento de 2022, anunciado pela Petrobras (4,8% para a gasolina e 8% para o diesel), deve reverter a trajetória.

 

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.